Minicurso Auta de Souza in verso e (re) verso

Este é o minicurso será administrado por Pedro Fernandes, aluno do curso de Letras/Língua Portuguesa, a partir de quarta-feira, dia 04 de dezembro, durante a XIV Semana de Letras e Artes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte.


*

Auta de Souza nasceu em Macaíba (RN), em 12 de setembro de 1876. Filha de Eloy Castriciano de Souza e Henriqueta Leopoldina de Souza e irmã de dois políticos e intelectuais, Henrique Castriciano e Eloy de Souza, aos 14 anos apareceram os primeiros sinais da tuberculose, obrigando-a a abandonar os estudos e a iniciar uma longa viagem pelo interior do Rio Grande do Norte em busca da cura.

É uma das autoras potiguares que mais ficou conhecida fora do estado. Sua poesia, de um romantismo ultrapassado e com leves traços simbolistas, circulou nas rodas literárias do país despertando sempre muita emoção e interesse, e foi fartamente incluída nas antologias e manuais de poesia das primeiras décadas.

A peregrinação pela cura não surtiu efeito e Auta de Souza morreu quando só tinha 24 anos. Deixou escrito apenas um livro de poemas que foi publicado um anos da sua morte: Horto.


*

O minicurso se propõe fazer uma breve discussão em torno de aspectos literários e biográficos de Auta de Souza, sobre o seu fazer poético ressaltando a importância de sua obra para a Literatura Potiguar; em linhas gerais quer promover discussões que instiguem a construção de novos pesquisadores/leitores sobre sua obra.

As inscrições para este minicurso devem ser feitas na secretaria do curso de Letras, na Faculdade de Letras e Artes da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte mediante pagamento de taxa simbólica de R$5,00.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Quando Borges era Giorgie