Um conto de Objecto quase, de José Saramago

José Saramago. 1989.


Falamos aqui sobre o livro de contos Objecto quase, de José Saramago. E hoje gostaríamos de voltar ao livro para apresentar um dos contos mais interessantes do conjunto de seis peças que compõem este livro. Trata-se do conto "Cadeira". O conto abre o livro e foi escrito a partir de uma notícia solta na época da Ditadura de Salazar de que o ditador havia caído depois de sentar numa cadeira já carcomida pelos carunchos. Dados atestam que Saramago iniciou a escrita do conto em setembro de 1976, depois de reunir suas crônicas publicadas no Diário de Notícias em Os apontamentos

O livro de contos foi publicado em fevereiro de 1978 e é um livro de transição em que o escritor experimenta-se em formas de linguagem e de construção narrativa. Sobre o livro, Saramago comentou certa vez: "Não me parece que o Objecto quase seja uma sequência de quadros, como igualmente não resultou de uma justaposição de textos escritos ao sabor das circunstâncias. O livro tem um projecto e um plano, propõe-se claramente contra alienação - a epígrafe de Marx e Engels não está lá por acaso. Eu diria, provavelmente com algum exagero, que cada texto decorre do texto anterior, e o primeiro deles, que materialmente não tem anterioridade, toma como referência textual um texto ausente..."

A epígrafe que coloca no texto é extraída de A sagrada família "Se o homem é formado pelas circunstâncias, é necessário formar as circunstâncias humanamente". 

"Cadeira" é uma descrição em câmera lenta e quase sádica, de riso solto, sobre os pormenores envolvidos na queda. Lá não está o nome do ditador, mas sua presença é sentida não apenas no episódio citado, mas nos referentes utilizados pelo narrador. É um texto delicioso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232