Luiz Rufatto



Luiz Ruffato é mineiro; nasceu em Cataguases, em 1961. Graduou-se em Comunicação pela Universidade de Juiz de Fora, e durante esse período começou a colaborar com diversos jornais. Mudou-se para São Paulo na década de 1990 e foi trabalhar no Jornal da Tarde, carreira que abandonaria em 2003 para dedicar-se integralmente à atividade da escrita.

Seu primeiro título, entretanto, não vem dessa época do jornal, nem de quando decide abandonar as atividades na imprensa. Histórias de remorsos e rancores é de 1998 e trata-se de uma coletânea de contos. São sete textos que giram em torno de um mesmo grupo de personagens habitantes do beco Zé Pinto, situado na cidade onde nasceu. Já aqui, Ruffato apresenta qual seria seu interesse como escritor: apresentar uma realidade das margens. As figuras desse livro contos são subempregados, ex-prostitutas.

Em 2000 publicou mais um livro de contos que recebeu menção do Prêmio Casa de Las Américas no ano seguinte. Em Os sobreviventes, Ruffato escreve mais seis contos: "A solução", "O segredo" e "Carta a uma jovem senhora", para citar três deles, sublinham o mesmo traço temático iniciado em 1998. De modo que, já daqui percebe-se uma insistência do escritor como se buscasse, primeiro, um tema sobre o qual se sinta à vontade para narrar, depois, um estilo que possa ampliar-se e enredar para uma forma mais acabada: o romance, por exemplo.

Fruto dessa perseverança está na insistência de Ruffato em enviar seus trabalhos às editoras. Segundo conta, o primeiro livro foi rejeitado no mínimo por vinte editoras. Tentado a desistir do ofício quando já pensava ir viver um tempo fora do país, o livro fez certo sucesso e angariou interesses de algumas casas para que viesse a lume outros trabalhos do escritor; é nesse contexto que se publica o livro de 2000.

O primeiro romance Eles eram muito cavalos trouxe algo de novo à literatura brasileira contemporânea. Trata-se de um obra que crítica leu como fortemente marcada de uma preocupação social ao mesmo tempo que preocupada com uma renovação estética da forma narrativa, designadamente a não-linearidade do narrado e sua fragmentação para tratar dos acontecimentos de um único dia, o 9 de maio de 2000 na cidade de São Paulo. O título inspirado num poema de Cecília Meireles é produto de uma idéia que o escritor teve de escrever um tributo sobre a cidade onde agora vivia. Deu certo. O livro foi premiado com o Machado de Assis no ano seguinte e o Prêmio da Associação Paulista de Críticos da Arte (APCA).

Em 2002 publicou um conjunto de poemas (As máscaras singulares) e o ensaio (Os ases de Cataguases: contribuições para a história dos primórdios do Modernismo). Seguiu-se de mais dois romances que integrariam cinco volumes de "Inferno provisório": Mamma, son tanto felice e mundo inimigo, igualmente vencedores do APCA como Melhor Ficção de 2005. Os cinco títulos chegariam ao fim em 2011 com a publicação de Domingos sem Deus intercalado por Vista parcial da noite (2006) e O livro das impossibilidades (2008).


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro