Poema em processo


como gotas d’água
que caem do teto de uma caverna
meio que, por acaso, no papel

na figura do poeta
prefiro fecundar-me e parir
em palavras, poemas

afinal poema é sentir
ainda por definir-se
e ser e causa

poema ainda traz a missão secreta
sei lá, discreta, até
de novas ordens de vida
mesmo que carregado de talvez

mesmo que despido de palavras
diz tudo
porque em sendo tudo não é nada
e sendo nada diz tudo.


* Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239