De Gabriel a Noel, uma festa na terra outra no céu, de Paulo Martins



Neste espaço notas acerca do livro de Paulo Martins, De Gabriel a Noel: uma festa na terra e outra no céu. Paulo é um poeta de Natal, o qual tive a honra de conhecê-lo no lançamento desse seu livro na IV Feira do Livro de Mossoró no stand do Jornal De Fato. Confesso que apenas folheei o livro dele e dei uma rápida corrida de vista pelos poemas, tanto que me restrinjo a falar que se trata de um livro que, certamente, deve ele ter feito uma vasta pesquisa acerca das letras e também um vasto duelo com as palavras a fim de que elas ainda que soltas encaixassem-se e dessem forma aos poemas. É um trabalho interessante e que mostra, antes de tudo, que o fazer poético não está de forma alguma atrelado ao insight ou inspiração como ainda parecem crer a maioria das pessoas. Transcrevo a seguir resenha publicada no Jornal Tribuna do Norte que, ao meu ver apresenta bem o que venha ser esse livro. (Pedro Fernandes)

"De Gabriel a Noel": um livro em forma de homenagem

O poeta e compositor Paulo Martins presta uma homenagem a antigas e novas referências da Música Popular Brasileira na obra “De Gabriel a Noel: uma festa na terra e outra no céu”.

A obra é composta por 49 letras referentes aos conjuntos das principais obras de vários mestres da MPB vivos e imortais. “O livro é uma invenção singela, especialmente destinada a uma clientela que na certa gosta de MPB, e está repleto de criatividade, sobriedade, sensibilidade, versatilidade e originalidade”, comenta Paulo.

O autor conta que o livro “De Gabriel a Noel: uma festa na terra e outra no céu” foi escrito a partir da criação de histórias baseadas nesses conjuntos e nas vidas dos músicos, com o intuito de eternizá-los, evidenciando plenamente seus perfis artísticos e retratando diferentes realidades que sequer foram um dia imaginadas por ele.

Entre os nomes homenageados por Paulo em sua obra estão: Pixinguinha, Tom Jobim, Cartola, Noel Rosa, Vinícius de Moraes, Chico Buarque, Lulu Santos, Raul Seixas, Rita Lee, Gabriel o Pensador, Renato Russo, Marisa Monte, Seu Jorge, Zélia Duncan, entre outros.

Para Paulo, o mundo artístico da MPB traduz fielmente a nossa riquíssima diversidade cultural, respeitando as diferenças de estilo, ritmo e gosto de oriundas de nossa gente. “Com base nisso, busquei inovar, sem querer popularizar algumas de suas principais estrelas imortais e atuais, visando aproximá-las cada vez mais de seus incondicionais admiradores”, explica o compositor.

Quando assistia o programa Altas Horas, da Rede Globo, em um dia de 2007, Paulo teve a idéia de escrever seu primeiro livro. “Na ocasião, assisti um compositor da velha guarda carioca, cujo nome não lembro, fazendo uma homenagem a outro compositor. A partir daí, pensei que eu também poderia homenagear muitos nomes da nossa música, os quais admiro”, explica Paulo.

Então, em agosto do ano passado, o autor deu início a pesquisas para constituição do título “De Gabriel a Noel: uma festa na terra e outra no céu”. Paulo buscou informações sobre as letras das músicas dos compositores e criou novas letras, presentes na obra, a partir dos títulos das composições. “Somente três artistas são exceção, pois me baseei em suas histórias de vida para criar as letras. São eles: Luiz Gonzaga, cuja canção que escrevi para o livro cita apenas uma composição sua, que é Asa Branca; Elis Regina, que aproveitei para homenagear, na mesma música, sua filha, Maria Rita; e Martinho da Vila, cuja canção compus a partir de sua criatividade e também homenageei a sua filha, Martinália”, ressalta o escritor.

Através do livro “De Gabriel a Noel: uma festa na terra e outra no céu”, Paulo Martins conquistar não apenas os fãs dos mestres da música brasileira presentes na obra, mas também os entusiastas de outros estilos musicais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239