Cartas da Europa, de Jaime Hipólito


Segundo ele, na apresentação da obra, as cartas foram escritas "em folhas sem pauta". "A escrita segue em linha reta e com uma excelente caligrafia. A primeira carta foi escrita ainda dentro do avião, em guardanapos de papel. Durante um ano, Jaime escrevia quase todos os dias a parentes e amigos. Ansioso por notícias de Mossoró e do Brasil, queria saber de tudo, nos mínimos detalhes, desde notícias da política nacional ao desempenho de seus sobrinhos na escola. Ao longo dessas cartas, Jaime se mostra advogado, jornalista, escritor, filósofo, poeta, político, conselheiro e amigo. Nelas, portanto, é possível conhecer muita coisa da política local", destaca Gustavo, que também fez o projeto gráfico e a capa do livro de Jaime Hipólito Dantas.

É certo que a obra do escritor Jaime Hipólito Dantas não se resume apenas a três livros: O Aprendiz de Camelô, Estórias Gerais e De Autores e de Livros. Há mais escritos daquele que é considerado como um dos melhores críticos do Estado. E a editora Queima-Bucha, do poeta e sobrinho de Jaime, Gustavo Luz, quer provar isso. Lançará, no próximo dia 11, às 20h, no Memorial da Resistência, o livro Cartas da Europa, que retrata as três visitas feitas por Jaime. "Um dia eu perguntei à irmã de Jaime, Tia Jandira, se ela tinha cartas. Ela me deu um calhamaço de papel, escrito por ele, enquanto de sua viagem pela Europa", revela o editor Gustavo Luz.

O livro é dividido em três partes - os três momentos da visita do autor de Estórias Gerais à Europa. A primeira parte foi escrita em 1966, quando o autor diplomou-se em política social, com tese "Some Aspects of Regional Development Planning in Brazil", na Universidade de Swansea, no País de Gales. A outra diz respeito ao período de 1972, quando visitou outra vez a Europa, mas agora como turista. E a terceira vez foi em 1984. 

Para Gustavo, se "muitos críticos comentaram a pouca produção literária de Jaime, essas cartas, acredito, tirarão um bocado dessa falta de Jaime perante as letras potiguares", destaca Gustavo Luz.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro