Tony Silva


Por Pedro Fernandes



1. A primeira vez que vi Tony Silva em cena foi num espetáculo que a cidade de Mossoró anualmente promove nos meses de junho aos moradores e visitantes, o Chuva de bala no país de Mossoró, que conta a história da resistência dos mossoroenses ao bando de Lampião. O texto original é do professor e escritor Tarcísio Gurgel.

2. Desde então estabeleci uma relação de admiração pelo trabalho da atriz. A vi noutros trabalhos, como o Auto da liberdade, outro espetáculo também promovido ao ar livre e livre para o público, também anualmente.

3. Depois, em outro trabalho a vi ainda mais brilhante: a adaptação da tragédia grega Medéia.

4. Numa entrevista da atriz  ao jornal mossoroense Gazeta do Oeste ela fala da vivência no teatro e como que este passou a fazer parte de sua vida. Segundo Tony Silva durante a infância não teve contato algum com o teatro, "Vivi todas as épocas, brincando no meio da rua, de brincar de lama, e nunca tive nada com o teatro"; reforçando o caráter de que o talento de todo e qualquer grande artista advém de outra dimensão que não apenas a do dinheiro.

5. O talento parece ser algo nato que se faz através das oportunidades. Tony Silva, na mesma entrevista fala que os contatos primeiros que fez com a matéria do teatro foi apenas quando no curso de técnica agrícola, no então colégio Eliseu Viana, a convite de Aécio Cândido e Crispiniano Neto. Era o seu primeiro espetáculo, Circo, alegria do povo, que contava a história na reforma agrária no Brasil.

6. Tony Silva é sensível ao falar da profissão, "Passei dez anos para que eu pudesse dizer que era atriz." A este grande nome do teatro no Rio Grande do Norte deixo registrada minha admiração.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239