De Virginia Woolf para Katherine Mansfield

Virginia Woolf em Garsington, 1923.

Nesta longa carta para Katherine Mansfield, Virginia Woolf fala sobre como é importante a dedicação da escritora neozelandesa à arte de escrita e a necessidade de as mulheres aprenderem a escrever: “Qual é o seu último desejo, o que faria você aspirar apaixonadamente para escrever livros, histórias e poemas?” As duas escritoras intimamente comprometidas com a literatura, mantiveram uma breve e vigiada amizade; isso porque sabe-se do jogo de sinceridade que se abriu entre as duas desde quando se conheceram.

Tudo começou quando a autora de Mrs. Dalloway iniciou as publicações pela Hogarth Press, primeiro uma editora de fundo de quintal montada com seu companheiro Leonard Woolf. O livro impresso de Mansfield pela nova casa editorial foi Prelude; o casal Woolf levou aproximadamente nove meses entre a impressão e a encadernação à mão de trezentas cópias. Na carta, escrita depois de terminada a edição, Woolf tece opiniões de outras figuras do meio literário que teriam ficado entusiasmadas com a aparição do livro: “Morgan Forster disse que Prelude está entre as melhores narrativas de seu tempo”.

Na ocasião, a inglesa estava escrevendo O quarto de Jacob e precisou parar a escrita para se dedicar ao trabalho de publicação do livro de Mansfield. Cita da interesse por outros trabalhos, como a escrita de um ensaio sobre Dorothy Wordsworth a fim de lucrar o necessário para comprar os papéis para impressão.

Katherine Mansfield.
 

Também compara seu estilo com o de Mansfield: "o que eu tanto admiro em você é a sua qualidade de ser transparente”; e emenda, sobre O quarto de Jacob: "Estou sempre cortando e mudando de um plano para outro. Acho que o que eu estou querendo é mudar a consciência [...] Eu me sinto como se não quisesse apenas quaisquer realismos mas somente pensamentos e sentimentos, sem copos e mesas". É sabido o quanto Woolf odiava o estilo ainda reinante do qual Oscar Wilde foi um de seus últimos precursores.

Virginia Woolf também fala sobre a gênese de seu conto "Uma sociedade", que foi publicado juntamente com outras peças do gênero na época: "Como uma idiota eu perdi a paciência com Arnold Bennett e perdi meu tempo escrevendo uma narrativa violenta e tola, eu supus uma sátira desnecessária".

Na carta, Woolf também tece fofocas sobre seus amigos T. S. Eliot e Lytton Strachey: "Eu gosto de Eliot, tenho pena dele, como ele sofreu muito para ter adquirido uma vida que ele não pode levar. Enquanto isso todos os tipos de coisas crescem por debaixo, dolorosamente. Mas isso é trabalho da suposição. Nós só fazemos sinais uns aos outros. Lytton é tão leve como uma pera [...] ele está programado para uma vida de lucros". É que, na época, Strachey publicado um trabalho pelo qual havia dedicado toda sua vida: a uma biografia da rainha Vitória.


carta de Virginia Woolf para Katherine Mansfield

A carta é datada de 13 de fevereiro de 1921. 



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239