Jornal Trabuco, um tiro de boas ideias


A primeira equipe, fundadora do jornal Trabuco: da esquerda para direita, Pedro Fernandes, Ângela Cláudia, Monick Munay e Anacely Menezes. Alunos do sétimo semestre do curso de Letras.


1. Entre as habilidades (ou competências) para a formação de um estudante de Letras está a labuta com a palavra. É bem verdade que alguns chegam ao curso com apenas esse interesse e todos saem frustrado porque não encontram esse lugar que buscam, afinal, sobretudo num curso de licenciatura, o que mais se passa em debata é a formação de como trabalhar a língua de sua habilitação com o ensino.

2. É sabido ainda que os cursos de Letras sempre zelaram pela criação de promoção de espaços de convivência com a escrita, o que, de certa maneira finda por ser gratificante não apenas àqueles cujo único interesse é o exercício com a palavra e, produz um intercâmbio com os mais arredios à escrita ou mesmo com outras faculdades, claro, se o aluno está numa instituição com outros cursos afins.

3. Os dois pontos (interesse pela escrita e promoção de espaços de exercício dela) estão na base desta ideia que foi colocada em prática graças a união do grupo de alunos do sétimo período do curso de Letras, habilitação Língua Portuguesa, da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Campus Mossoró, na criação do jornal Trabuco. Um pequeno catálogo ou um zine, como se tornou comum dizer, que quer crescer para ser um espaço para apresentação dos talentos do curso.

4. A ideia começou a ser gestada em maio de 2008. E tem o apoio inegável do professor e poeta Leontino Filho, autor certamente, de outras experiências do gênero em sua carreira acadêmica. E, por falar em intercâmbio é bom que se diga que este nome não existiria, nem o slogan ("Um tiro de boas ideias") sem a presença numa das reuniões de construção de pauta de um aluno de Ciência da Computação, o Thiago Rebouças.

5. A primeira edição foi publicada em junho de 2008. E deu certo. De lá, até agora, foram já três edições. E a equipe está nos preparativos para o quarto número. Também foi criado um blog que disponibiliza parte do conteúdo publicado nas edições impressas e outros aperitivos aos leitores.

6. Junto com a quarta edição, a equipe pensa em publicar ainda um caderno de poesia reunindo trabalhos de alunos não apenas da instituição a que pertence, mas de outras instituições. Por enquanto a ideia já tem título: irá se chamar Sarau, uma alusão ao título de uma das colunas do Trabuco. É preciso dizer que esta é a meta mais ambiciosa do jornal, a de expandir as fronteiras de intercâmbio com seu trabalho. 2008 é certamente o ano mais interessante para a ideia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232