filhos de adão



HEINRICH GRESBECK: Todo acto humano é cometido nas trevas, todo acto humano é criador de trevas.

Deus não é luz suficiente.

HANS VAN DER LANGENSTRATEN: Não há, pois, outro Diabo senão o homem, e a terra é o lugar único do inferno.

De In Nomine Dei, José Saramago


1

no horizonte cai
de um açoite a noite
sobre duas almas vazias
aparece o bordo de uma lua vermelha
cheia amarela purulenta

uma fina neblina envolve
a nudez do nascer da noite

2

no azedume das ruas mortas
ele esperou que a lua toda se levantasse da terra
enorme sangrenta cheia de seu pus solar

3

a passos largos
as duas almas nuas
na sarjeta ainda quente da rua
gozo gala óvulo
uma vida

4

ao nascer calado doutra noite
negros voejantes
envoltos na neblina de junho
iss’é um assalto!


um estouro o disparo
um choro o desgozo
estendidos à porta da igreja
diante de um deus inocente
e de um diabo dito vil inclemente
o choro os gritos o sangue
de duas almas


* Poema publicado no Caderno Literário, Editora Pragmata, maio de 2009, p. 59. Acesse o e-book Palavras de pedra e cal e leia outros poemas de Pedro Fernandes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse