José Saramago e questão literatura e utilidade

Por Pedro Fernandes

Biblioteca particular de José Saramago em sua casa em Lanzarote.



Escrevi certa vez um texto que foi publicado no Caderno Domingo do Jornal De Fato acerca da tão instigante pergunta milenar já milenar porque tem servido ao debate entre gente diversa desde que a literatura é literatura. Hoje, na releitura de algumas falas do escritor português José Saramago, eis que dou com uma entrevista sua ao Clarín, em que a pergunta foi posta (a tradução para o português é livre) e cuja resposta vem corroborar com o que escrevi há alguns meses:

"Como escritor, seu meio de intervenção é a literatura. Podemos voltar a pensar se serve para algo? Se la literatura pode melhorar (ou piorar) a vida, o mundo?

Levamos séculos nos preguntando uns aos outros para que serve a literatura e o caso de que não exista resposta não desanimará aos futuros perguntadores. Não há resposta possível. Ou há infinitas: a literatura serve para entrar numa livraria e ficar em casa, por exemplo. Ou para ajudar a pensar. O upara nada. Por que esse sentido utilitário das coisas? Se há que buscar o sentido da música, da filosofia, de uma rosa, é que não estamos entendendo nada. Um utensílio tem uma função. A literatura não tem uma função. Embora possa consolar uma pessoa. Ainda que possa te fazer rir. Para piorar, a literatura basta com que se deixe de respeitar o idioma. Por aí se começa e por aí termina."

Há que entender a literatura em si e não como salvação do mundo; há que respeitar a literatura pelo o que ela é. Bater na questão da utilidade é reforçar o entendimento de que a literatura é produto de uma volição e preenchimento de um vazio de tempo.

Ligações a esta post:
>>> Para ler o texto "Literatura e utilidade", clica aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017