Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 26, 2009

Trecho censurado de Macunaíma

Imagem
Manuel Bandeira teceu muitos elogios quando leu Macunaíma, sobretudo pela protuberância de cenas picantes da obra. Mas, com medo da censura, Mário de Andrade fez um recorte do romance em que é narrado cenas, que ao seu ver, poderiam ser acusadas de pornografia. Nele, o romancista descreve transas de Macunaíma e Ci. Os cortes foram da versão original para a segunda edição da obra. Leia o trecho que reproduzo aqui a partir da edição crítica da obra preparada por Telê Porto Ancona Lopez e publicada em 1988 pela Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.
*
Um geito engraçado era enrolar a rede bem e no rolo elástico sentados frente a frente brincarem se equilibrando no ar. O medo de cair condimentava o prazer e as mais das vezes quando o equilíbrio faltava os dois despencavam no chão ás gargalhadas desenlaçados pra rir.
Outras feitas Ci balançava sozinha na rede, estendida de atravessado. Macunaíma convexando o corpo entre dois galhos baixos em frente buscava acertar no alvo o ua…

“Eu não viajarei para Auschwitz”*

Imagem
Por Pedro Fernandes



Bem, leitor, confesso que minha consciência novamente me obriga a render matéria sobre um assunto que só pensei escrever sobre apenas um artigo. Mas, o caso é forte. É um caso daqueles, como diria uns, de rasgar a goela. Não desce de forma alguma. E calar-se parece consentir. Trata-se da novela Williamson, que discorri aquinoutro dia. Ele mesmo. O dito cujo mesmo que anda pregando aos quatro ventos que o Holocausto não existiu.

Pois bem, esse mesmo volta à telinha de novo e de novo com a mesma história. Nesse vale a pena ver de novo, depois de uns imprensões fuleras de Ratzinger, que só convenceram a meio mundo de fanáticos de que ele está realmente preocupado com o caso, porque se realmente estivesse já teria feito o que João Paulo II fez, ou melhor, se se preocupasse com o caso sequer teria reabilitado o louco, Williamson afirmou, segundo o jornal Folha de São Paulo, à revista alemã “Der Spiegel” que está disposto a rever as evidências históricas, mas que não vai …