Kaos, dos Irmãos Taviani



Reunião de histórias sicilianas recria em imagens e sons o universo e o espírito de Luigi Pirandello

A singularidade dos Irmãos Taviani (Paolo e Vittorio) já era uma marca desde o documentário A Itália não é um país pobre, longa que marcou a estréia da dupla em 1960. A trajetória dos Taviani se insere no registro do cinema político italiano, gênero constante ao longo das décadas de 1960 e 1970.

Com o declínio dos temas e das questões que fizeram a fama do gênero, os filmes de dupla migraram para um registro mais poético, sem nunca esquecer uma atenção especial às injustiças sociais. A busca de uma grife literária torna-se mais consistente a partir de Pai patrão (de 1977, adaptação de um romance do italiano Gavino Ledda) e de Kaos (que reúne histórias extraídas de contos de Luigi Pirandello). Em seguida, firma-se como referência de qualidade e respeito aos textos originalmente literários, com Noites com sol (de 1990, que adaptada uma história de Tolstói), As afinidades eletivas (de 1996, com base no romance homônimo de Goethe), Tu Ridi (de 1998, nova adaptação de uma obra de Pirandello) e numa versão feita para a TV italiana em 2001 de Ressurreição, de Tolstói.

Kaos consiste em quatro histórias e um epílogo, todos ambientados na Sicília, no fim do século XIX. Em O outro filho, uma mãe aguarda notícias de seus filhos que emigraram para a América e ignora a existência de um terceiro, fruto de um estupro. Em O mal da lua, uma moça do campo recém-casada descobre que seu marido fica louco a cada temporada de lua cheia. O vaso conta a história de um proprietário que contrata um artesão para consertar um enorme vaso, mas acaba caindo dentro dele. Réquiem narra as ações de habitantes de um vilarejo para ter o direito de enterrar seus mortos, e Colóquio com a mãe encena uma conversa entre o próprio autor, Pirandello, e sua mãe.

Dois elementos dão unidade ao conjunto: a fotografia, que captura a beleza da natureza em suas mínimas nuances, e a ironia, elemento marcante do estilo de Pirandello e que os Taviani conseguem preservar nesse trabalho de transcrição em imagens.

O título, apesar de ecoar significados do termo que designa bagunça, confusão, de fato é uma derivação da palavra "Cavusu", nome de uma floresta próxima à aldeia onde Pirandello nasceu e modo de os Taviani homenagearem a fonte de sua inspiração.

*Revista Bravo!, 2007, p.98.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Quando Borges era Giorgie