José Mindlin



A primeira vez que li esse nome, foi quando da última edição de Navegos, livro de Zila Mamede, cuja a orelha era assinada por ele; depois tive a oportunidade de assisti-lo em entrevista ao Programa da TV Cultura Roda Viva. Esse paulista com então 95 anos veio a falecer em 28 de fevereiro passado. O país perde, certamente um ícone, mas não deve perder o significado de quem foi José Mindlin: um apaixonado pelos livros, um leitor assíduo, um grande pensador.

Sua paixão pelos livros só teve data de início -  treze anos de idade - e de lá para cá não parou. Lembro-me das peripécias que o bibliófilo contava no Roda Viva a cata de seus livros raros. Seu primeiro livro foi Discours sur l'Histoire universelle, de Jacques-Bénigne Bossuet, edição de 1740. Deixou um acervo de mais 40 mil volumes, incluindo obras de literatura brasileira e portuguesa, relatos de viajantes, manuscritos históricos e literários (originais e provas tipográficas), periódicos, livros científicos e didáticos, iconografia e livros de artistas (gravuras). É considerada como a mais importante biblioteca privada no Brasil.

Pelo esforço, obteve reconhecimento na Academia Brasileira de Letras, onde passou a ocupar a cadeira número 29, sucedendo a Josué Montello. No mesmo ano, sua biblioteca particular foi incorporada à coleção da Universidade de São Paulo; coleção que a partir de então passou a ser chamada de Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, nome também dado ao novo prédio que abriga como se deve suas preciosidades.

E já que estamos falando sobre um bibliófilo lembremos uma lista títulos redigida por ele julho de 1993, incluindo prosa e poesia, clássico e contemporâneos, além de indicações no campo da História e da crítica literária.

As mil e uma noites
Adélia Prado – Bagagem
Alain-Fournier – Grande Meaulnes
Alexandre Dumas – Os três mosqueteiros
Anatole France – A Ilha dos Pinguins
Antonio Candido – Formação da Literatura Brasileira
Antônio Vieira – Sermões
Balzac – A comédia humana
Barbara Tuchman – A torre do orgulho
Baudelaire – As flores do mal
Beaumarchais – Teatro
Benjamin Constant – Adolfo
Bernard Shaw – Teatro (com prefácios)
Boccaccio – Decameron
Camões – Lírica e Os Lusíadas
Camus – A peste
Carlos Drummond de Andrade – Poesia completa
Casanova – Memórias
Castro Alves – Poesia completa
Cecília Meirelles – Poesia completa
Cervantes – Dom Quixote
Cyro dos Anjos – O amanuense Belmiro
Defoë – Robinson Crusoé
Dickens – Grandes esperanças
Diderot – Jacques, o fatalista
Dostoiévski – Crime e castigo
Eça de Queirós – Os Maias
Elisabeth Barrett Browning – Poemas
Emily Brontë – O morro dos ventos uivantes
Emily Dickinson – Poemas
Érico Veríssimo – O tempo e o vento
Ésquilo – Teatro
Eurípides – Teatro
Fernando Pessoa – Poesia completa
Fielding – Tom Jones
Flaubert – Educação sentimental
García Márquez – Cem anos de solidão
Gilberto Freyre – Casa-Grande e Senzala
Gógol – Romances
Gonçalves Dias – Poesia completa
Graciliano Ramos – Vidas secas
Gregório de Mattos – Obra poética
Guimarães Rosa – Grande Sertão: Veredas
Guy de Maupassant – Contos
Helena Morley – Minha vida de menina
Herman Hesse – O lobo da estepe
Homero – Odisseia e Ilíada
Jane Austen – Orgulho e preconceito
João Cabral de Melo Neto – Poesia completa
Jorge Amado – A morte e a morte de Quincas Berro d’Água
Jorge Luis Borges – Biblioteca de Babel
José de Alencar – O Guarani
José Lins do Rego – Menino de engenho
José Saramago – Memorial do Convento
Joseph Conrad – Lord Jim
Julio Cortázar – O jogo da amarelinha
Kafka – O processo
La Fontaine – Contos e novelas
Lima Barreto – Triste fim de Policarpo Quaresma
Machado de Assis – Memórias póstumas de Brás Cubas
Manoel de Barros – Gramática expositiva do chão
Manuel Antônio de Almeida – Memórias de um sargento de milícias
Manuel Bandeira – Poesia completa
Mário de Andrade – Macunaíma
Marivaux – Teatro
Molière – Teatro
Montaigne – Ensaios
Montesquieu – Cartas Persas
Nathaniel Hawthorne – A letra escarlate
Olavo Bilac – Poesias
Oscar Wilde – O retrato de Dorian Gray
Oswald de Andrade – Serafim Ponte Grande
Paul Éluard – Poemas
Paulo Prado – Retrato do Brasil
Pedro Nava – Memórias
Platão – Diálogos
Proust – Em busca do tempo perdido
Rachel de Queiroz – O quinze
Raul Pompeia – O ateneu
Rimbaud – Poesias
Rousseau – Confissões
Sérgio Buarque de Holanda – Raízes do Brasil
Shakespeare – Teatro
Sófocles – Teatro
Stendhal – O vermelho e o negro
Sterne – A sentimental Journey
Suetônio – Vida dos doze Césares
Swift – As viagens de Gulliver
Tchékhov – Romances e Contos
Thomas Mann – A montanha mágica
Tolstói – Guerra e Paz
Turguêniev – Romances
Vargas Llosa – Conversa na catedral
Verlaine – Poesias
Vicente de Carvalho – Poemas e Canções
Victor Hugo – Os miseráveis
Vinícius de Moraes – Poesia Completa
Virgílio – Eneida
Virginia Woolf – Orlando
Voltaire – Romances


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores