O mundo está gritando por Deus ou a Igreja grita por fiéis

Por Pedro Fernandes




Em artigo recente publicado no jornal Correio da Tarde o padre Matias Soares deu ao leitor sua profissão de fé. Respeito e admiro os que tem essa fé. Não consigo alcançá-la. Por que? Não sei. Defeito? Também não sei. Pode ser também uma qualidade. Depende do ângulo que você enxerga a questão. O fato é que essa crença cega - epíteto para fé - tem algumas afirmativas que carecem de ser revistas, afinal as coisas não são apenas o que parecem ser, mas são também aquilo que não parecem. Não existe absolutismo em nada. E se viver de relativismos nos tira do eixo de fixidez, problema nenhum, nunca fomos possuidores mesmo desse eixo de fixidez e a verdade não passa de uma invenção que pode no dobrar da esquina se transformar em mentira.

Fazendo relações entre "uma pessoa que tem uma experiência de Fé, no sentido teológico-cristão" e "um solipsista do vazio falando sobre sua existência no mundo e para o mundo" o artigo do padre dizia em relação a este último: "Ele nega a possibilidade do tudo, porém, não sabe o que fazer com o que lhe resta, ou seja, o nada." Não me parece. Acho que do mesmo problema da falta do que fazer com o nada de que padecem "os solipsistas do vazio" padecem "as pessoas que tem uma experiência de Fé". A diferença reside no fato de que estes últimos conseguem agarrar-se ao vazio e ao invés de buscar uma resposta cabível num desconhecido inventado preferem acomodar-se, aquietar-se perante a autoridade divina. Fôssemos todos assim e ainda estaríamos sob regime de opressão e cerceamento que a religião tem imposto ao mundo ao longo de sua existência.

Não é o mundo que grita por Deus, mas é a religião, que na debanda de fieis para a leva de credos que se multiplicam feito rastilho de pólvora, grita por fieis. Se o padre afirma que "na certeza de Deus o vazio não tem mais enigma" é porque Deus para os católicos e os crente Nele é figura inabalável, que se recusa à dúvida, é centralizador, absolutista e, sendo dono dessas qualidades, é figura arrogante, que não se permite ao questionamento, nem ao erro. Na verdade, Deus é sim enigma tanto quanto o vazio: antes essa figura estava no céu, depois que o homem lá subiu transformou-se em fumaça que agora vigia e está feito ar em todo lugar. Logo, afinal, quem é Deus?

Concordo, entretanto, com o autor, por mais contraditório que pareça, quando este vem dizer que "a ausência de Deus desequilibra a relação do ser humano com o mundo circundante". Talvez Deus sendo enigma não é de todos o problema da raça humana, mas sim o uso que as religiões fazem dele. Essa sim desequilibra a relação do ser humano com o mundo circundante. Se cada um de nós nos entendêssemos particularmente com nossas divindades (e aqui até o vazio pode ser uma delas) boa parte das carnificinas humanas teriam sido poupadas, porque sabemos que são as religiões com seus discursos preconceituosos, cerceadores o mal que rege o mundo e põe homens contra homens.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239