Mais uma semana do filme cult

Cena de Suspiria, clássico de Dario Argento que abre a programação da IV Semana do Filme Cult

Com clássico de Dario Argento, o Cineclube Natal, o Teatro de Cultura Popular Chico Daniel e o jornalista Rodrigo Hammer deram início hoje, 18 de maio de 2010, a mais uma Semana do Filme Cult, evento que promete, pela quarta vez, trazer filmes underground ou ferrenhamente cultuados ao público natalense.

Para abertura dessa quarta edição, o filme escolhido foi Suspiria, dirigida pelo mestre do horror italiano Dario Argento. Suspiria apenas antecipa uma sucessão de títulos definidos entre o bizarro e o burlesco, na qual também há lugar para Grand Guignol e experimentalismo barbarizante.

A permanência da Semana do Filme Cult no calendário do Cineclube Natal confirma o sucesso da iniciativa, responsável por atrair amantes de raridades do gênero que, assim, podem ter a oportunidade de assistir a títulos nem sempre disponíveis em coleções particulares e muito menos nas poucas bancas de filmes de arte.

As cópias, em muitos casos, recebem tradução e legendagem dos próprios organizadores da mostra, como é o caso do raríssimo A Vingança do Sexo, a ser exibido no sábado, 22. “O filme é argentino e consegui uma matriz com o áudio comprometido por sucessivas remasterizações. A dublagem em Inglês tinha sido removida, mas fui em frente assim mesmo, traduzindo diretamente do Espanhol. Depois do trabalho encerrado, só sosseguei quando passei o texto por um revisor uruguaio que se encarregou de corrigir poucos erros. Foi uma verdadeira batalha linguística”, comemora Rodrigo Hammer.

Paralelamente, a IV Semana do Filme Cult exibe um curta-metragem de animação por dia antes da atração principal. Segundo Gianfranco Marchi, essa é uma forma de se proporcionar variedade à programação, arejando-a com a presença de realizadores que atuam totalmente fora do convencional ou da produção voltada aos grandes circuitos.

A programação completa está abaixo e copiamos algumas curiosidades sobre o que os espectadores irão encontrar nas sessões:

Terça-feira, 18:

Suspiria (Itália, 1977)
Direção: Dario Argento
Com: Jessica Harper e Stefania Casini

Estudante de Ballet descobre que sua academia é, na verdade, um covil de bruxas ancestrais determinadas ao caos e à destruição. O curioso do filme é que traz como protagonista Jessica Harper, redescoberta por Steven Spielberg em Minority Report (2003). Durante as filmagens, Argento tocava a trilha-sonora – composta antes da produção – em alto volume, para “inspirar” os atores. A estética de Suspiria contém elementos obrigatórios na obra do realizador, como a obsessão por facas pontiagudas e misoginia em doses fartas

Quarta-feira, 19

O monstro da lagoa negra (Creature From The Black Lagoon - EUA, 1954)
Direção: Jack Arnold
Com: Richard Carlson e Julie Adams

Expedição científica pelo Rio Amazonas encontra criatura anfíbia que provocará terror entre os seus integrantes. As curiosidades desse filme são: a criatura do filme originalmente fora concebida para ser um alienígena telepata, como no romance original de Paul Di Filippo (no qual a obra se baseia). Este foi um dos filmes do grupo das primeiras experiências em Cinema 3D, quando o formato era sensação. E teve mais duas sequências: A revanche do monstro (1955) e The Creature Walks Among Us (1956).

Quinta-Feira, 20

O reflexo do mal (The Reflecting Skin - Inglaterra/Canadá 1990)
Direção: Philip Ridley
Com: Viggo Mortensen e Lindsay Duncan
Numa remota região norte-americana, menino encara a realidade através de personagens sinistros que surgem do cotidiano. O filme traz diversas referências ao Cinema, a começar por Un Chien Andalou, Psicose, entre outras produções. Críticos apontam o desempenho de Viggo Mortensen, como o melhor de sua carreira. Philip Ridley, que chegou a ser comparado a David Lynch pelos entusiastas da fita, jamais repetiria o resultado obtido.

Sexta-Feira, 21 

O ladrão silencioso (The Thief - EUA, 1952)
Direção: Russell Rouse
Com: Ray Milland e Martin Gabel
Físico nuclear faz serviço de espionagem para país não determinado, tendo em seu encalço os órgãos de segurança norte-americanos. As curiosidades de O ladrão silencioso são: o filme é inteiramente desprovido de falas e transformou-se num cult noir graças à presença de Ray Milland em papel extraordinário. Críticos apontam esse trabalho de Rouse como uma das obras mais injustiçadas de seu tempo, embora valorizada nas cinematecas europeias. O diretor aproveita as locações do Empire State, em Nova York, para dar uma aula de fotografia inteligente, quando o prédio representava o máximo do glamour.

Sábado, 22

A vingança do sexo (La Venganza Del Sexo - Argentina, 1969)
Direção: Emilio Vieyra
Com: Ricardo Bauleo e Gloria Prat
Experimentos macabros envolvem o rapto de strippers e casais enamorados numa mansão afastada. Clássico do Trash argentino. Curiosidades: conhecido no exterior como The Curious Dr. Humpp, sofreu diversas alterações na montagem, algumas cópias com excertos pornôs. De ambientação futurista, o filme foi rodado em preto-e-branco apesar do ano de produção (1969). No cast, rouba a cena o vilão interpretado por Aldo Barbero numa atuação impecável.

Domingo, 23

Canibal holocausto (Cannibal Holocaust - ITA, 1980)
Direção: Ruggero Deodato
Com: Robert Kerman e Francesca Ciardi
Equipe de antropólogos se embrenha pela selva sul-americana onde encontra material filmado de antiga expedição dizimada por canibais. De tão banido internacionalmente ou mutilado por cortes, Canibal holocausto acabou gerando repercussão recorde, razão do fascínio que ainda hoje desperta. Deodato tornou-se um mito renegado do Trash em decorrência do repúdio gerado pelo filme. Ironicamente, a partitura de Riz Ortolani ganhou elogios e, por muitos, é considerada a melhor coisa em meio às nauseabundas sequências de mutilação e esfolamento.


* Do Jornal Tribuna do Norte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232