Federico García Lorca




No dia 19 de agosto de 2010 fechou os 74 anos sem Federico García Lorca. O poeta nascido numa vila da Andaluzia foi, sem julgamento,  executado com um tiro na nuca pelos nacionalistas; seu corpo foi jogado (dizem uns) num ponto da Serra Nevada, mas até hoje nunca encontrado, apesar das várias tentativas ensaiadas de, com base em documentos, se fazer uma busca sobre. A morte do poeta catalão é signo da loucura humana; daquela que é capaz de matar apenas pelo prazer de matar e pela impossibilidade de aceitar o outro como diferença.

O crime teve repercussão em todo o mundo e longe de querermos transformar um escritor num mártir (e sabemos que ele não teria essa vocação) inscreve-se nos anais da literatura como representação sobre o poder de incômodo da palavra. Se o calaram, mas não conseguiram calar sua poesia, que, não pela tragédia mas pela qualidade expressiva é também repercussão ao redor do mundo. A poesia de Lorca e todo o seu trabalho artístico (foi também um homem versado para o teatro) está entre a obra dos principais nomes da poesia universal. 

Formou-se em Direito. Da amizade com Luis Buñuel e Salvador Dalí, por incentivo dos dois é que nasceu a publicação de seus primeiros poemas. Era 1921. Depois desse ano, publicou Poema del cante jondo, Primeras canciones, Canciones, Romancero gitano, Poeta en Nueva York, Llanto por Ignacio Sánchez Mejías, Seis poemas gallegos, Diván del Tamarit, Sonetos del amor oscuro, Poemas sueltos, Cantares populares (poesia), Santa Lucia y San Lázaro, Historia de este gallo, Degollación del Bautista, Degollación de los inocentes, Suicidio en Alejandría, Nandadora sumergida, Amantes asesinados por una perdiz, La gallina (prosa) e El maleficio de la mariposa, La niña que riega la albahaca y el príncipe preguntón, Los títeres de cachiporra, Mariana Pineda, Viaje a la luna, La zapatera prodigiosa (teatro), entre outros títulos de uma obra, como se vê, bastante extensa.

Morou nos Estados Unidos e em Cuba por um período. Quando de volta à Espanha, criou um grupo de teatro, o La Barraca. Socialista e gay, foram, certamente, esses dois elementos que lhe transformaram num dos alvos mais visados pelo conservadorismo espanhol que, sob forte influência católica, ensaiava a tomada do poder, dando início a uma das mais sangrentas guerras fratricidas do século XX.

Intimidado, Lorca retornou para Granada, na Andaluzia, na esperança de encontrar um refúgio. Ali, porém, teve sua prisão determinada por um deputado católico, sob o argumento (que tornou-se célebre) de que ele seria "mais perigoso com a caneta do que outros com o revólver".

Ligações a esta post:
>>> Salvador Dalí e García Lorca: cartas
>>> Carta e poema inéditos de Federico García Lorca
>>> Sobre Poeta en Nueva York
>>> Federico García Lorca: aquele loiro de Albacete
>>> O amante uruguaio de García Lorca?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)