Biblioteca Digital de Fernando Pessoa online


Em resultado de um trabalho coletivo que envolveu a Casa Fernando Pessoa, o Centro de Linguística da Universidade de Lisboa e que contou com o apoio da Fundação Vodafone, o trabalho de catalogação e digitalização da Biblioteca particular de Fernando Pessoa está desde ontem disponível online. A coordenação de todo o projeto esteve a cargo de Jerónimo Pizarro, especialista na obra de Pessoa, que na cerimônia de apresentação da Biblioteca recebeu das mãos de António Costa, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a medalha de mérito municipal.

Terminado o trabalho de digitalização de todo o material, que até agora estava em parte disponível para consulta na Casa Fernando Pessoa, mantém-se o objetivo de restaurar todos os documentos, procurando esta entidade apoios técnicos e financeiros para realizar este projeto.

Em nota publicada na página da Casa Fernando Pessoa, Jerónimo Pizarro assume os objetivos que presidiram a esta iniciativa: "Dar visibilidade virtual à biblioteca particular de Fernando Pessoa foi o objetivo de uma iniciativa coletiva que começou em Abril de 2008 e que hoje permite disponibilizar em linha milhares de páginas impressas, muitas das quais contêm anotações, comentários, traduções e outros diversos tipos de textos em prosa e em verso, para além de desenhos, horóscopos e exercícios caligráficos. Estas páginas, que em número quadruplicam o número de autógrafos pessoanos à guarda da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP), são decisivas para revisitar a vida e a obra de Fernando Pessoa. A sua biblioteca, composta por mais de 1300 títulos (mais da metade deles em língua inglesa), é um autêntico repertório de fontes e de escritos. Por este e por outros motivos, o seu valor é inestimável. No poema «Un lector», Jorge Luis Borges escreveu: «Que otros se jacten de las páginas que han escrito; a mí me enorgullecen las que he leído». Que leu Pessoa? Com que propósitos? Estas são só algumas das perguntas que agora se podem começar a formular com mais assiduidade."



No texto de apresentação da ideia, escrito por Inês Pedrosa, a justificativa, que acredito ser a mais plausível por esta novidade: "Os livros tendem a mover-se muito depressa: emprestam-se, perdem-se, vendem-se. Pessoa também vendeu alguns – mas deixou-nos 1142 volumes, de todos os géneros e em vários idiomas, densamente anotados e manuscritos. Graças à dedicação de uma equipa internacional de investigadores coordenada por Jerónimo Pizarro, Patricio Ferrari e Antonio Cardiello foi possível digitalizar, na íntegra, toda a biblioteca. Graças ao apoio da Fundação Vodafone Portugal foi possível colocar online cada uma das páginas digitalizadas. Deste encontro de entusiasmos generosos resultou a disponibilização gratuita da preciosa biblioteca do autor de O Livro do Desassossego, que agora pertence aos leitores em qualquer parte do globo. Trata-se de uma biblioteca aberta ao infinito da interpretação – bela, surpreendente e instigante, como tudo o que Fernando Pessoa criou. Usufruam-na."

Para consulta, clica aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239