Uma pedra no meio do caminho: biografia de um poema




Para marcar os 40 anos do poema "No meio do caminho", Carlos Drummond de Andrade publicou, em 1967, o livro Uma pedra no meio do caminho: biografia de um poema, no qual reuniu uma ampla seleção com o que foi dito sobre os famosos versos. No último dia 24 de novembro chegou às livrarias, por através do Instituto Moreira Salles uma nova edição do livro. A edição é ampliada pelo poeta Eucanaã Ferraz.

Uma pedra no meio do caminho: biografia de um poema traz todo o conteúdo de sua versão original: texto de apresentação de Arnaldo Saraiva e fortuna crítica do poema mais discutido do modernismo literário brasileiro, publicado pela primeira vez na Revista de Antropofagia, em 1928. A publicação traz também duas seções inéditas: "Ainda a pedra", que complementa a seleção feita por Drummond com textos, charges e ilustrações sobre o poema posteriores a 1967; e "Biografia da biografia", que reúne resenhas e comentários sobre o livro desde seu lançamento.

Segundo Eucanaã Ferraz, a primeira edição de Uma pedra no meio do caminho: biografia de um poema foi uma espécie de resposta de Carlos Drummond de Andrade à dura crítica recebida pelo “poeminha da pedra”. “Houve o tempo em que um trabalho miúdo e constante de difamação do modernismo tomava como exemplo da pior literatura o poema 'No meio do caminho”, explica Eucanaã em seu texto de apresentação desta nova edição. Os insultos ao poema transformaram o próprio texto em obstáculo ao escritor, como a pedra criada pelos seus versos. Drummond, com ironia, resolveu então publicar todas as críticas sobre seu poema e devolveu aos seus leitores o documentário produzido ao longo de 40 anos.

O poema em várias línguas

O Instituto Moreira Salles criou um vídeo em que "No meio do caminho" é lido nas diversas línguas para as quais o poema já foi traduzido. Drummond é lido por várias línguas. Vale a pena conferir:



No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores