Ariano Suassuna





Auto da compadecida e O romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-volta, mais conhecido apenas por  A pedra do reino são duas obras que representam significativamente as duas faces desse escritor: a de dramaturgo e a de ficcionista, respectivamente. É verdade que Ariano também escreveu e/ou publicou uma leva poemas e ensaios, dos quais, pela bibliografia do escritor na página da Academia Brasileira de Letras, podemos citar ao menos dois – O pasto incendiado, livro inédito de poemas, e O Movimento Armorial, este conhecido de todos, porque ser as bases de um dos movimentos, no interior das artes, que o escritor foi fundador e tem dedicou boa parte de seu projeto literário.

Ariano Suassuna é da Paraíba. Nasceu em Nossa Senhora das Neves, hoje João Pessoa. Com o assassinato de seu pai durante Revolução de 1930, sua família muda-se para Taperoá – cidade que fica famosa quando da ambientação da adaptação de sua peça Auto da compadecida para o cinema em 2000, por Guel Arraes. Mas, em Taperoá Ariano só morou até 1942, quando foi viver no Recife, onde terminou os estudos secundários, o curso de Direito e onde também conheceu Hermilo Borba Filho; parceria que levou a escrever suas primeiras peças para o Teatro do Estudante de Pernambuco; aí foi onde nasceu peças como Uma mulher vestida de sol e Os homens de barro. Também no Recife, Ariano criou o grupo itinerante Barraca, nome inspirado no grupo La Barraca do espanhol Federico García Lorca; já se marca aí um dos traços que perseguiu em toda sua obra, inclusive na formação do Movimento Armorial, a admiração pela cultura ibérica. 

Na década de 1960, fundou o Teatro Popular do Nordeste onde encenou duas de suas novas produções, A farsa da boa preguiça A Caseira e a Catarina. Depois destes dois trabalhos, o autor começou a dedicar-se à prosa e à poesia. É quando escreve A pedra do reino História d’o rei degolado nas caatingas do sertão/Ao sol da onça caetana, marcos fundadores do que denominou romance armorial-popular brasileiro. 

Depois do curso de Direito, Ariano, dado a problemas pulmonares, volta, por recomendações médicas, a morar em Taperoá. No período que esteve no interior paraibano, o escritor produz a peça Torturas de um coração. Já curado, volta ao Recife, onde passa a exercer a profissão de advogado e continua sua produção literária.  São desta época O castigo da soberbaO rico avarento e o já referido Auto da compadecida. Por essa época,  larga a advocacia para ocupar a cadeira de professor de Estética na Universidade Federal de Pernambuco, profissão que vai desempenhar até se aposentar, em 1994.

Ariano Suassuna escreveu ainda para o teatro O desertor de princesa (reescritura de Cantam as harpas de Sião), peça inédita, O casamento suspeitosoO santo e a porcaO homem da vaca e o poder da fortunaA pena e a lei, Farsa da boa preguiçaA caseira e a CatarinaAs conchambranças de Quaderna, estas duas últimas, peças também inéditas; e ficção A história do amor de Fernando e Isaura, romance inédito, História d’O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão / Ao Sol da Onça Caetana, romance publicado pela José Olympio.

O professor e as aulas espetáculos
> Pedro Fernandes, o editor do Letras, redigiu notas de uma das aulas do mestre
> No canal do Letras no Youtube indexamos uma das aulas magnas de Ariano

Depois da aposentadoria, Ariano criou o ficou conhecido como aulas-espetáculo, apresentação meio aula, meu teatro em que ele aproveitava para contar histórias, defender a cultura popular, fazer críticas ou tecer elogios e sempre a partir de um determinado tema das artes. Com esse formato percorreu os quatro cantos do Brasil; primeiro com uma trupe de músicas, depois sozinho. 

Ariano Suassuna no cinema e na TV

Todo esse extenso universo literário de Ariano Suassuna também ganhou forma no cinema e na televisão. Na TV, suas obras ganharam adaptações pelas mãos de diretores como Luiz Fernando Carvalho e Guel Arraes:  em 1994, a atriz Tereza Seiblitz deu vida à protagonista Rosa Maranhão na versão da peça Uma mulher vestida de sol, dirigida por Carvalho e exibida como “Caso especial”, na Globo.

Em 1999, o Nordeste de Suassuna foi transposto para a tela por Guel Arraes no clássico O auto da Compadecida, microssérie de quatro capítulos com Selton Mello e Matheus Nachtergaele, que viraria filme em 2000. Em 2007, em comemoração aos 80 anos de Suassuna, Carvalho prestou homenagem ao autor na microssérie A Pedra do Reino. Em cinco capítulos, a obra, escrita pelo diretor com Luís Alberto de Abreu e Braulio Tavares, teve no elenco Irandhir Santos, Nill de Pádua e Mayana Neiva e foi gravada em Taperoá.


Até breve, Ariano

A notícia da morte do dramaturgo, poeta, romancista chegou no início da noite de 23 de julho, cinco dias depois de quando perdemos o escritor João Ubaldo Ribeiro.  

Ligações a este post:
Mateus Nachtergaele, ator que deu vida ao personagem João Grilo em O auto da compadecida escreve a Ariano Suassuna
> Pedro Fernandes e dez notas sobre a dor de uma perda
> Pedro Fernandes, o editor do Letras, redigiu notas de uma das aulas do mestre
> Ariano por Ariano
> Em 2013, redigimos um texto sobre a obra poética Ariano + catálogo com sua poesia
A lista de leituras de Ariano Suassuna.
Notas sobre "A pedra do reino"
> No Tumblr Dez momentos raros sobre Ariano
> No Tumblr quatro iluminuras com poemas de Ariano
O escritor entre amigos
> Obras indispensáveis para conhecer a literatura de Ariano Suassuna
> No canal do Letras no Youtube indexamos uma das aulas magnas de Ariano


Este texto foi atualizado em 23 de julho de 2014.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239