José Saramago, das crônicas




Da obra de José Saramago, encontramos com pelo menos quatro  incursões pelo gênero da crônica. Talvez devamos ampliar este número para cinco, se for caso de considerarmos associados à Deste mundo e do outro (1971), A bagagem do viajante (1973), As opiniões que DL teve (1974), Os apontamentos (1976) - os quatro livros em questão - este seu Folhas políticas, lançado como um conjunto de artigos, mas que, trazem as mesmas características da crônica para jornal.

O escritor já dissera que para conhecê-lo haveria o leitor de começar a lê-lo por essa produção. Em Saramago, muitas vezes disseram, e é verdade, os acontecimentos mais rasteiros do cotidiano ganham status literário pela simples forma como são engendrados na escrita.

Exige do leitor atenção aos pequenos detalhes, que, pelo modo como se insinua, sabemos, pode dar conta de provocar grandes inquietações filosóficas, políticas e existenciais. Esses dizeres de "uma fala só" enredam a face mais próxima do Saramago homem-político, homem-de-seu-tempo sempre interessado em refletir sobre os fatos do presente, da história e os rumos que andamos tomando nos nossos modelos de civilização que vimos adotando no fim para começo de século. 

No espaço do projeto Um caderno para Saramago são reunidas algumas dessas produções do Saramago cronista. Destaque para o banco de crônicas publicadas no jornal espanhol El País. Para acessar o arquivo clique aqui.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro