Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2011

J. M. Coetzee

Imagem
J. M. Coetzee é considerado por boa parte da crítica como um dos maiores escritores da atualidade. Mordaz crítico do mundo contemporâneo,  a obra de Coetzee é como seu autor: multifacetada. Tem produções no gênero do romance ao do ensaio, da novela às constantes colaborações com a imprensa. Coetzee também já cuidou de uma carreira acadêmica e foi tradutor de várias obras.
Se tivéssemos que enumerar algumas de suas mais importantes produções, citaríamos, certamente, Desonra, traduzido no Brasil por José Rubens Siqueira. Desonra trata-se de um drama em que o escritor sul-africano reflete sobre o apartheid tomando como escopo a história de um professor de literatura que se perde entre a erudição humanista e os distúrbios que faz de seu país, a África do Sul, afundar-se junto com ele denotando aquilo que Ricardo Lísias chama de "martírio de uma sociedade que se vê oprimida por uma violência, às vezes simbólica e, outras muito concreta".
Uma das características da obra de Coetz…

Alejandra Pizarnik, a poesia, pelo humor e o sangue

Imagem
Por Mercedes Roffe

A condessa sangrenta constitui o epíteto que Valentine Penrose acrescenta ao nome de Erzébet Báthory referente real da protagonista do poema em prosa e fonte para o texto de Alejandra Pizarnik. Igual a Valentine, a poeta argentina se concentra “na beleza convulsiva da personagem” para dar luz a este “texto marginal”.
Marginal e sinistramente belo é o maldito de quatro séculos referendado por esta história e, melhor ainda que ela própria – os crimes de Erzébet – a trama de relações intertextuais que se tece através de uma luxuosa galeria de relembranças e citações que vão de Sade a Rimbaud, de Baudelaire, Artaud, Gombrowicz e, indiretamente, George Bataille.
Autora das antologias A árvore de Diana, Os trabalhos e as noites, Extração da pedra da loucura e O inferno musical para nomear só os mais importantes, Alejandra Pizarnik faz de A condessa sangrenta um Aleph onde se concentram o que serão os tópicos básicos de sua obra poética. Mas se de Aleph ou de espelhos se…

Zila Mamede para as telas

Imagem
Por Pedro Fernandes



A novidade vem numa matéria assinada pelo repórter Yuno Silva para o caderno Viver, do jornal Tribuna do norte. Trata-se do curta Pegadas de Zila, rodado entre Natal e Rio de Janeiro pelo diretor potiguar Valério Fonseca. O filme de 11min tem sua estreia nacional no Teatro José de Alencar, em Fortaleza, durante do Festival Cine Ceará. O filme tece colcha poética de retalhos tendo como protagonista a atriz Rosamaria Murtinho, na pele de uma mulher que revive e passeia pelas memórias da poeta potiguar que muito sonhava em conhecer o mar.
O projeto do curta surgiu em junho de 2010, quando, segundo Valério,  voltava de um festival de cinema em Jericoacoara. Na época o diretor fora participar com o curta Maria Ninguém e passava por Natal para rever a cidade. Foi quando ele começou a filmar lugares onde passou sua infância. Valério é radicado no Rio há quase vinte anos. Quando chegou à Praia do Meio, Valério conta que ficou encantado com as imagens captadas e, apesar de …

Adaptações para o Facebook

Imagem
A novidade foi anunciada pelos publicitários brasileiros Erick Rosa e Thiago Carvalho; eles trabalham na agência Leo Burnett de Portugal e tiveram a ideia de adaptar um livro para o Facebook, em pequenos capítulos atualizados diariamente.

O bom inverno, do português João Tordo, vencedor do Prêmio José Saramago em 2009, será o primeiro que irá paras as redes sociais. A obra foi lançada em setembro de 2010, com 8000 cópias, sem publicação no Brasil. O romance discorre sobre um assassinato na Itália, ocorrido na casa do cineasta Don Metzger.

Rosa, diretor de criação, diz que "é como ver a adaptação de um livro para o cinema", mas a diferença é que a dupla trouxe isso para uma rede social. "Nesse caso, transpusemos para o Facebook. A ideia está sendo testada enquanto acontece”, completa.

O livro foi cortado pela metade, relata o redator Carvalho. Isso porque os textos originais, que contabilizam 250 páginas, ficariam muito grandes para os 420 caracteres do Facebo…

Miacontear - Mana Celulina, a esferográvida

Imagem
Por Pedro Fernandes


O cenário em que transcorre as cenas desse conto me lembrou muito as terras 'sem lei' do sertão nordestino, não apenas pela fisicidade do espaço recuperado no início do texto - um curral - mas, principalmente pelo comportamento da personagem de Salomão Pronto e do desenvolvimento das ações. Salomão Pronto recupera ipsis literis a figura do coronel sertanejo, pelo poder de decisão que carrega - "Até o governador o convocava em caso de sérias gravidades" - como pelas atitudes que toma no correr da narrativa.
O fato é que a filha sua, Celulina, aparece grávida. O caso é de fazer o suposto pai, o vizinho Ervaristo Quase, confessar o delito. Novamente devo prestar atenção no nome dessas personagens. Salomão, pelo já comentado poder decisório que carrega, logo remete-nos à figura bíblica homônima e além do que, vem acompanhado pelo sobrenome Pronto, dando a ideia de acabamento, de sujeito centrado, de prontidão, apto a resolver qualquer embaraço.

Celul…

Água para elefantes, de Francis Lawrence

Imagem
Por Pedro Fernandes


Baseado no texto de Sara Gruen, Água para elefantes é a melhor surpresa de 2011, embora seja ainda um filme mediano, devido a um roteiro fraco que se perde entre um drama barato e um romance fortemente hollywoodiano. O filme é também uma escola para o ator Robert Pattinson que ensaia sair do patamar de vampiro-adolescente-charmoso da saga Crepúsculo para papéis mais sérios - isso desde o péssimo Lembranças. Digo escola porque o garotão bem que se esforça (e já passou por outras escolas além desta), mas, ainda está longe de ser uma revelação.
Água para elefantes dá contas (ou pelo menos tenta) de um universo, há muito em crise: o circo.  Jacob tem uma vida que vai, aos trancos e barrancos, apontando para uma bem sucedida carreira na medicina veterinária. É quando se dá a perda dos pais e dos poucos bens que os pais deixariam a ele, que, sem ter dinheiro para fechar os estudos, sem ter moradia para viver e jogado num Estados Unidos em plena crise - a trama se passa na…

Cadernos de Literatura do Instituto Moreira Salles online

Imagem
Desde o dia 2 de maio, o Instituto Moreira Salles começou a disponibilizar para leitura a edição integral dos seus Cadernos de Literatura Brasileira. Segundo nota divulgada na página do Instituto, a cada mês, quatro entre os seus 25 números já lançados serão publicados por lá. Na primeira fase de editoração eletrônica do material serão disponibilizados os cadernos sobre os autores Carlos Heitor Cony, Clarice Lispector, Erico Verissimo e Millôr Fernandes.

Reunindo ao longo de uma década um acervo único de entrevistas, ensaios, depoimentos, manuscritos inéditos e registros fotográficos sobre a vida, a obra e o universo dos principais escritores brasileiros, os Cadernos tornaram-se referência entre as publicações voltadas para a literatura contemporânea. Em suas 25 edições, a publicação inaugurou no país um gênero de abordagem que encontra poucos paralelos mesmo em contextos de maior tradição cultural e editorial.
Custou, mas a iniciativa vale a pena. Para acessar o lugar da ideia, clica…

Não dá para ficar em silêncio

Imagem
Por Pedro Fernandes

Nas redes sociais, Facebook, Orkut e Twitter, muitos tem sido os que compartilharam um vídeo da professora Amanda Gurgel. O desabafo da professora chega numa hora em que o país acorda - ou pelo menos ensaia acordar - para o tema já tão caô nas rodas de professores, alunos e todos os que compõem a rede básica de ensino. No Rio Grande do Norte a categoria, pela milésima vez, cruza os braços reivindicando dois direitos básicos: o cumprimento do piso salarial já aprovado em lei federal e a reestruturação da rede pública de ensino levada ao caos em mais de 16 anos de descaso do poder público estadual. Sabido é que os governos Garibaldi e Vilma de Faria foram decisivos para o atual estágio em que se encontra a educação potiguar. Não bastasse isso o estado tem um déficit de mais de 4mil professores e o estado não sinaliza a realização de concurso público para contratação imediata de profissionais. Não dá para ficar em silêncio nesse momento. Como professor e como conheced…

Miacontear - A despedideira

Imagem
Por Pedro Fernandes



É sim um conto de despedida. Como narrador, novamente temos uma mulher. Esta não está para narrar sua submissão a uma rotina por um homem ("O cesto"), nem está para narrar algum homicídio ("Meia culpa, meia própria culpa"), o que esta mulher se põe a contar é sobre o início e desfecho de um amor.

A ideia de submissão, entretanto, é a mesma, ainda que esta, agora, não padeça fisicamente, nos gestos e na fisionomia, de atitudes de machismo sobre ela, como é visível, por exemplo, nas duas outras mulheres citadas. Mesmo que o seu desejo seja de um homem ao seu lado - "nuvem", "homem em breves doses", "e, vez enquando, seja mulher, tanto quanto ela"; e mesmo que ela tenha conseguido esse homem, que é este amor que agora é conta que perdeu, é latente sua submissão psicológica a ele construída por um muro de lembranças que é o próprio muro que sustenta sua subjetividade.
"Deixem-me agora evocar, aos golpes de lembran…

Mais novidades no blog Um caderno para Saramago

Imagem
Por Pedro Fernandes



1. Um vida mergulhada na obra de José Saramago. Assim tem sido, cada vez mais, os meus dias, nas leituras e releituras de textos seus, nas descobertas de novas coisas, na revisão acurada do texto da dissertação de mestrado, na processo editorial do número especial do Caderno-revista 7faces em homenagem à obra poética do Prêmio Nobel de Literatura e, claro, na composição das peças desse projeto que batizei de Um caderno para Saramago.

2. E há mais atualizações: o texto "As máscaras que se olham", de autoria do escritor português, que foi publicado no Jornal de Letras, edição de novembro de 1985, e que versa sobre o poeta Fernando Pessoa, um dos escritores de sua paixão; está aí O ano da morte de Ricardo Reis, romance que recria a imagem de um heterônimos do poeta e do próprio Pessoa, para não me fazer mentir com suposições. 

3. E com a proliferação de frases soltas do escritor nas redes sociais, irei organizar uma coluna  no blog que se chamará Citações e pre…

Eu sou o número quatro, de D. J. Caruso

Imagem
Por Pedro Fernandes


Voltar ao baú de coisas é coisa que faz todo arte. Aliás, é desse constante voltar que se constrói as grandes novidades e a arte se recicla. Agora, Hollywood volta para as histórias de alienígenas e quer, depois do clássico de Spielberg reinventar o rol delas - não deixando de fora, é claro, a parafernália tecnológica que o cinema foi incorporando desde a época em que E. T. foi lançado. Quem se dispõe a façanha é o diretor D. J. Caruso, com o seu Eu sou número quatro, tradução ao pé da letra para o título em inglês e que o Brasil adotou para o filme. Aliado ao tema dos alien Caruso trouxe ainda - nascendo das cinzas - o nascer do herói, dos superpoderes desse herói e da relação conturbada entre o herói e esse dom. E lógico - como estamos numa daquelas historinhas para nanar adolescentes - não pode faltar uma pitada de romance, coletada do sucesso teen das histórias românticas de vampiros.
Pareceu complicado toda essa salada? Pois não é. Smith é um disfarce do núme…

A garota da capa vermelha, de Catherine Hardwicke

Imagem
Por Pedro Fernandes



Não é a primeira vez que o cinema volta-se para os clássicos da literatura infanto-juvenil e busca uma releitura, também não será a última com este A garota da capa vermelha. O fato é que essas produções são agenciadas por um péssimo mal gosto cinematográfico cujo interesse está reduzido - assim como parece ir dando provas cada vez mais o cinema - a espetacularização da imagem. O filme de Hardwicke, cujo propósito está no de uma releitura do clássico d'A chapeuzinho vermelho é exemplo disso.
Tudo nesse filme caminha para o trash - desde a composição do cenário onde corre as cenas, o vilarejo de Daggerhorn - até atuação e arrumação dos figurinos. Num interesse de recuperar o ar dos ambientes encantados das histórias de fada, A garota da capa vermelha exagera na maquete e nas cenas de estúdio o que deixa o filme pesado e claustrofóbico. Evidente que esse é o estado a que se ver reduzido o vilarejo - já que é o lugar um cenário de pessoas ressabidas que convivem h…

A Preá sai da toca, mais uma vez

A poesia potiguar e seus personagens são os nortes para onde aponta a bússola da nova edição da revista cultural Preá, que volta a circular no Rio Grande do Norte após entressafra editorial da Fundação José Augusto. Com nova linha editorial, onde um tema é eleito para ser abordado sob vários prismas, a edição número 23 da Preá ‘sai da toca’ nesta terça-feira, às 19h, na Pinacoteca do Estado, centro de Natal. Durante o lançamento da revista, também haverá abertura da exposição fotográfica “Em cada esquina um poeta”, de Giovanni Sérgio e Giovanna Hackradt, e divulgação do edital para o Salão Nordeste de Arte Popular “Chico Santeiro”.

Este é o primeiro número assinado pelo jornalista Mário Ivo Cavalcanti, que aponta algumas mudanças “radicais” para esta nova fase: “Os projetos gráfico e editorial são as principais mudanças. Além de um visual mais moderno, teremos edições temáticas. Neste primeiro momento, por questões de recursos, não teremos reportagens em municípios do …

Quando todos querem saber do biografado

Imagem
Por Pedro Fernandes



É verdade que há determinadas personagens da história que têm motivo de sobra aos que as biografam e aos que se interessam por saber de suas vidas. Diria que Hitler é o exemplo clássico. Também Jesus. Também Elvis Presley. O que tem elas em comum? O pensamento e o modus vivendi polêmicos talvez seja uma amálgama que faça com que os sentidos dos leitores estejam aguçados em saber cada vez mais detalhes e particularidades dessas personagens. 
Já outras figuras nem tanto. Terão levado uma vida simples demais, dirão, para encontrar alguma coisa que valha no extenso jogo de interesses dos leitores. Uma personagem desse rol dos nem tanto mas que tem rendido bons trocados ao seu pesquisador-biógrafo tem sido Clarice Lispector. Não que ela tenha sido personagem desinteressante; mas, certamente, o leitor saberá que a escritora não está no rol das personagens com uma vida marcada pelo inusitado: que veio para o Brasil ainda novinha no colo dos pais fugindo da guerra? Que mor…

Miacontear - Na tal noite

Imagem
Por Pedro Fernandes

A bem da verdade vale dizer que simpatizei e muito com essa Mariazinha, personagem desse conto. Fazendo uma brincadeira de palavras com o substantivo 'Natal' aqui partido em duas sílabas, 'Na-tal', para estabelecer um fio de duas pontas de sentido. 'Natal', a data de 25 de dezembro, a noite em que Mariazinha recebe, anualmente, a visita de seu "episódico" esposo, Sidônio Vidas, e a noite de uma dessas visitas, 'na tal' noite ou na noite tal. Esse Sidônio traz uma alcunha que lhe singulariza na narrativa; é ele dono de outras vidas, fora essa construída episodicamente com Mariazinha. Trabalha noutro país (supostamente) e lá também mantém família própria, certamente não-episódica como a de Mariazinha.
Nas visitas anuais, Sidônio faz as vezes de Papai Noel. Enche os filhos de presentes. Mostra também por sobre a pobreza dessa família episódica a riqueza em que vive - seja na troca (anual) de carro, dos cordões de ouro que tra…

O advogado do diabo, de Morris West

Imagem
Por Pedro Fernandes
Foi visitando, esta semana, uma livraria, que me encontrei diante de um livro que fez parte da minha formação inicial de leitor. Foi reeditado pela Editora Record e se trata de O advogado do diabo, do escritor australiano Morris West. 

O encontro com esse livro e sua reedição cai em cheio em meio às discussões de canonização do papa João Paulo II anunciada esta semana. O pontífice está prestes a se tornar santo num processo que é o mais rápido na história da Igreja Católica. A razão dessa relação não é coisa distante. 

Em O advogado do diabo, seu autor explora de forma policialesca o interesse político que está por trás de um processo de santificação, quando o olhar ambicioso da Igreja (seja pelo viés capital que representa um novo santo, seja pela ressurreição da imagem da instituição) pode mexer em fatos históricos na fundação de conjunto de interesses escusos para o bem próprio.

O cenário do romance é um vilarejo miserável do sul da Itália nos primeiros anos após a…

Miacontear - Meia culpa, meia própria culpa

Imagem
Por Pedro Fernandes

Utilizando o tom confessional já impresso na máxima cristã (adaptada é verdade) que dá título ao conto, este texto de O fio das missangas é o relato de Maria Metade - "meios caminhos, meios desejos, meia saudade". A alcunha 'metade' traz impressa as trilhas de sujeito errante. Mesmo sendo "Metade", Maria não se conforma com essa situação que a realidade lhe impõe. E cria a outra metade da existência pelas vias do sonho - "Eu tinha a raça errada, a idade errada, a vida errada. Mas ficava no outro lado do passeio, a assistir o riso dos alheios. Ali passavam moças belas, brancas, mulatas algumas. Era lá que eu sonhava. Não sonhava ser feliz, que isso era demasiado em mim. Sonhava para me sentir longínqua, distante até do meu cheiro." ¹
Logo, o que essa personagem tem de diferente das personagens femininas que tivemos contato até agora nesse livro de contos é que esta não respeita a ordem imposta. Sonha e pelo sonha é capaz de fund…

Dom Quixote em exposição

Imagem
Uma novidade literária chama atenção nesta primeira semana de maio. Unindo o mês das rosas com a personagem cervantina, o professor João Mata, recepciona a todos com a exposição temática Quixote com Rosas. O acervo pessoal do professor e pesquisador no tema será apresentado à comunidade no próximo dia 2 e fica em cartaz até o dia 6 de maio num lugar também sugestivo - onde se respira livros e café, a livraria da Cooperativa Cultural no Centro de Convivência da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
A exposição coincide com a realização do I Seminário de Arte e Cultura e tem seu  acesso gratuito. Quem visitar a amostra verá uma das coleções mais valiosas do Brasil sobre Dom Quixote. Tirando a coincidência de maio ser o mês das rosas, o nome da exposição remete, segundo seu curador, à época medieval, quando, na Espanha, as pessoas iam para as ruas trocar livros e rosas. Na amostra publicações raras em vários idiomas, como livros ilustrados por Salvador Dali, Pablo Picasso e …