J. M. Coetzee



J. M. Coetzee é considerado por boa parte da crítica como um dos maiores escritores da atualidade. Mordaz crítico do mundo contemporâneo,  a obra de Coetzee é como seu autor: multifacetada. Tem produções no gênero do romance ao do ensaio, da novela às constantes colaborações com a imprensa. Coetzee também já cuidou de uma carreira acadêmica e foi tradutor de várias obras.

Se tivéssemos que enumerar algumas de suas mais importantes produções, citaríamos, certamente, Desonra, traduzido no Brasil por José Rubens Siqueira. Desonra trata-se de um drama em que o escritor sul-africano reflete sobre o apartheid tomando como escopo a história de um professor de literatura que se perde entre a erudição humanista e os distúrbios que faz de seu país, a África do Sul, afundar-se junto com ele denotando aquilo que Ricardo Lísias chama de "martírio de uma sociedade que se vê oprimida por uma violência, às vezes simbólica e, outras muito concreta".

Uma das características da obra de Coetzee está em refletir acerca dos diversos tipos de opressão. Em Terras de sombras, por exemplo, o autor alterna entre o tom violento e o da frieza e constrói uma narrativa ao modo kafkiano, capaz de levar seu leitor a exasperação psicológica. Ainda: toda obra de Coetzee vem fortemente permeada de laivos do histórico e do autobiográfico colocando a ficção e o real empírico numa corda bamba.

Coetzee é da Cidade do Cabo, mesma terra de seu personagem D. Luria, de Desonra. De 1940. Fez seus estudos aí: dois bacharelados, um em língua inglesa e outro em matemática. Entre 1962-1965 trabalhou como programador de computadores e ao mesmo tempo escrevia sua tese sobre o escritor inglês Ford Madox Ford.

Três anos mais tarde conclui um doutoramento em Linguística - Línguas Germânicas, na Universidade do Texas, com tese sobre os primeiros trabalhos do escritor Samuel Beckett. Como professor lecionou na Universidade do Estado de Nova Iorque, Buffalo, e Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul e depois na Universidade de Adelaide, na Austrália, onde vive atualmente. Em 2003, foi premiado com o Nobel. Tem mais de uma dezena de livros publicados e traduzidos no mundo inteiro.

Ligações a esta post:
>>> A lista de leitura de J. M. Coetzee
>>> J. M. Coetzee escreve sobre Samuel Bellow

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239