O advogado do diabo, de Morris West

Por Pedro Fernandes

Foi visitando, esta semana, uma livraria, que me encontrei diante de um livro que fez parte da minha formação inicial de leitor. Foi reeditado pela Editora Record e se trata de O advogado do diabo, do escritor australiano Morris West. 

O encontro com esse livro e sua reedição cai em cheio em meio às discussões de canonização do papa João Paulo II anunciada esta semana. O pontífice está prestes a se tornar santo num processo que é o mais rápido na história da Igreja Católica. A razão dessa relação não é coisa distante. 

Em O advogado do diabo, seu autor explora de forma policialesca o interesse político que está por trás de um processo de santificação, quando o olhar ambicioso da Igreja (seja pelo viés capital que representa um novo santo, seja pela ressurreição da imagem da instituição) pode mexer em fatos históricos na fundação de conjunto de interesses escusos para o bem próprio.

O cenário do romance é um vilarejo miserável do sul da Itália nos primeiros anos após a Segunda Guerra Mundial. Do dia para noite o vilarejo é sacudido pela chegada de um investigador do Vaticano em busca da biografia do futuro santo, Giacomo Nerone, um homem que fora assassinado por comunistas e é visto como santo pelos habitantes locais logo após sua morte.

A personagem central do romance ou o advogado do diabo é o padre Meredith. Depois de receber um diagnóstico médico de que lhe restam poucos meses de vida, ele recebe também da Igreja a incumbência de separar aquilo que o Vaticano entende por milagre daquilo que é visto como superstição da gente simples daquele povoado. 

O problema é que no decorrer de sua investigação ele entrevista diversos personagens locais e suas relações com Nerone e daí encontra problemas que poderiam impedir a canonização; claro, o básico deles: ter sido um líder comunista. A Igreja sempre olhou com repulsa para a esquerda - tanto é verdade que, aonde foram parar os sacerdotes de formação política intervencionista? Excomungados, mortos (sem chance de santificação) ou caídos no limbo do esquecimento.

O advogado do diabo, de Morris West, é um romance vencedor dos prêmios William Henry, National Brotherhood e James Tait Memorial e considerado um clássico da literatura australiana.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232