José Saramago, ler, ver e ouvir

Detalhe de capa da edição brasileira de A viagem do elefante
É revirando a web que se encontram as novidades. A mais recente é este projeto multimídia que ainda está em desenvolvimento, mas que já dá caras de ser muito interessante. Em épocas de mídias diversas morre o livro que não conseguir se projetar em todas elas. E com o propósito de uma releitura e ao mesmo tempo uma promoção da obra A viagem do elefante, de José Saramago, os alunos disciplina de Laboratório de Cultura, Patrimônio e Ciência, do Mestrado em Ciências da Comunicação da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) estão desenvolvendo aviagemdoelefante.com.

No site da ideia, que segundo seu histórico, data de lançamento em 1 de junho de 2011, o leitor terá contato com a outra história dA viagem do elefante. É sabido que José Saramago escreveu esse romance tomando por base os fatos históricos de 1551, ano em que o então D. João III, rei de Portugal decide, por conveniência às relações desenvolvidas entre o reino português e o reino de Espanha, doar um elefante - aqui batizado de Salomão - para os recém-casados Maximiliano II e Catarina de Áustria. Mas a história tal qual, e disso também sabemos, é apenas mote para a construção do enredo desse romance.

Pois bem, o projeto em questão, reapresenta personagens, cenários e situações ao molde da história oficial estabelecendo, destarte, os laços plenamente possíveis entre os planos da ficção e daquilo que se lê como empírico. Também figuram uma série de vídeos com depoimentos de outras personalidades do mundo da literatura a falarem sobre o escritor Premio Nobel de Literatura e essa sua obra. Além de diversos desafios e passatempos onde o leitor pode testar seu conhecimentos acerca do romance. Um projeto que acaba por cumprir uma (re)descoberta da viagem de Salomão.

Segundo o texto de apresentação da proposta os mentores construíram o projeto com " o objectivo, não apenas de promover a leitura, mas também de partilhar uma interpretação diferente da obra que revisitamos, partindo da informação que reunimos, da experiência e sensibilidade de cada um.".

Para saber mais da ideia, clica aqui.
O projeto mantém uma página no Facebook que pode ser acessada aqui.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232