Miacontear - A infinita fiandeira

Por Pedro Fernandes


Se narrativa muito aprendeu com a poesia, não temos dúvidas desse 'intercâmbio'. O maior aprendizado me parece ter sido não o manuseio com as palavras, mas a própria construção formal - estrutural - do texto. Também não sei precisar se isso foi um aprendizado com a poesia ou um aperfeiçoamento das próprias técnicas de narrar. O fato é que tenho observado nos textos de escritores contemporâneos um modo peculiar de se conduzir a narrativa e o seu desfecho. O movimento empreendido pelo fio narrativo se ajusta e muito ao movimento do fio da poesia. Trata-se de um movimento cíclico. Na narrativa, como tenho dito várias vezes, um círculo que é reta. Acho que sobre isso já falei aqui noutro post e, se não me falta a memória, num post sobre a narrativa de José Saramago, de onde partiu-me essa observação.

O fato de fazer essa observação é que dou conta dessa questão nesse conto do Mia Couto; conto, aliás, que é, do meu ponto de vista, um dos mais bem elaborados quanto à sua estrutura. A leitura desse conto me faz novamente sentir ou ter a impressão da circularidade do texto. Um movimento que prolonga a narrativa ao um estágio infinito ou pelo menos engendra-se um movimento de rotação do texto.

Espécie de fábula, conto popular ou anedota "A infinita fiandeira" é a história de 'aranha-artista'. Seu trabalho é tecer uma inifinidade de teias cujo sentido está em não ter sentido - já que "Todo o bom aracnídeo sabe que a teia cumpre as fatais funções: lençol de núpcias, armadilha de caçador."

Como todo artista, não será diferente no mundo das aranhas, a ideia de valor para seu trabalho é sempre questionada. Afinal, fiar e somente fiar e não ser útil de que serve? Pois bem, incompreendida, a aranha será tida como problemática para os aracnídeos da sua família. Se o mal é da idade, a aranha-artista ainda é virgem, que arranje-se um marido. Depois do casório ela novamente foge à regra do que seria comum a seu mundo. Ao invés de devorar o macho depois das núpcias, ela o leva a conhecer seu mundo de teias e até a ele a escolher uma para si. O fato é que, depois de tudo e da preocupação de todos, a aranha-artista será condenada pelo deus dos bichos a ser enviada para outro mundo. O outro mundo é o nosso. O dos humanos. Assim que aqui chega é interpelada do que faz. A resposta " - Faço arte" soa como que retrógrada nesse mundo de cá. Estamos agora situados num plano cujo sentido da arte foi perdido e os últimos que se deram a fazer disso um ofício foram transmutados geneticamente em bichos. Aranhas, decerto.

Além do plano formal desse conto, devo reparar é nesse jogo metáforico que o autor engendra em torno da perda ou degradação do valor da arte enquanto bem simbólico de "repaginação do mundo". A incongruência, parece nos dizer Mia Couto, não reside apenas nessa constatação de uma degradação, mas a degradação é nascida na constatação de que o artista é sempre um incompreendido no mundo em que vive.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239