Miacontear - O caçador de ausências



Este conto retoma aquele fio do fantástico instalado em narrativas como O homem cadente. Como a história de O peixe e o homem, que o tom anedótico sustenta uma narrativa de pescador, em O caçador de ausências novamente esse tom é o que sustenta a armação do texto assemelhando-se a uma historieta das muitas contadas por caçadores. O narrador tem com Vasco Além-Disso Vasco - nome que reitera possível significação na ordem dos grandes navegadores - uma enorme quantia em dinheiro a receber. A narrativa nasce da sua ida um dia à casa do mal-pagante a fim de receber os devidos. Descobre que Florinha, mulher de Vasco e com quem o narrador já se 'enrabichara' certa vez, fugiu de casa e, por esse motivo, está Vasco incomunicável, ausente de si, não quer contato com ninguém de tão mergulhado na tristeza.

O fato é suficiente para desencadear na personagem a inauguração de um trajeto mato adentro, à procura não se sabe de quê, se de uma tranquilidade para acalmar-lhe os nervos de vítima de um calouteiro ou se inconscientemente à caça de Florinha, já procurada por esses matos em todos os lugares possíveis e nem sombra da sua existência. É nesse itinerário-caça ausente de rumo que lhe faz cair numa cilada. Alguém, no faro de que ele viesse nadando em dinheiro anuncia-lhe um assalto, livrado misteriosamente com o aparecimento de um leopardo que, no susto, faz o assaltante se embaralhar e, ao invés de disparar a arma no pé da personagem dispara contra si próprio; salvo, portanto, pelo leopardo "mais seu roargido". "Salvava-se do balázio para se perder na escura selva."

Esse itinerário da personagem muito se assemelha aos itinerários dos grandes viajantes que saem pelo mundo sem destino fixo e, pelo caminho, é tomado pelas mais impossíveis surpresas, mas, no fim das contas, adquire uma certa recompensa. Com essa personagem o vagar sem destino pela floresta, dormindo ao relento, "lençolando-se com o infinito da estrela" até perder as linhas que separam as quatro estações, as contas das manhãs, leva-lhe a desistir de tudo. É nesse ponto que reencontra com o leopardo. Florinha era o leopardo. Esse desfecho vem trazer uma possível resposta para esse jogo de metáforas, instaladas, como é da natureza da escrita miacoutiana de O fio das missangas, já no título do conto. O que de tanto valor procurava essa personagem, essa ausência, não seria o amor de Florinha, ausente mas ainda tão marcado na sua vida?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232