Glauber pela boca da mãe


Glauber Rocha. Foto: Blog da Cosac Naify. Aos 90 anos a mãe do cineasta maior, numa conversa feita em 2008 com Rafael Munduruca, fala sobre o filho e as dificuldades para a carreira do diretor de Terra em transe.

Todo pequeno entendedor de cinema sabe da importância que representa o nome Glauber Rocha para o cinema nacional e por que não para o cinema mundial. Glauber não foi apenas grande cineasta e diretor de uma obra genial e importante para o cinema. Deixou também uma produção escrita vasta com reflexões acerca do cenário no Brasil, sobre o movimento por ele preconizado – o Cinema Novo – e, sobre as perspectivas para o seu presente e futuro do cinema no mundo. Essa produção foi reunida em três amplos volumes pela editora Cosac Naify e representa uma produção importante para entender a magistratura do cineasta bem como sua produção cinematográfica. Autor de obras clássicas como Terra em transe e A idade da terra o autor é rememorado numa conversa inédita apresentada no blogue da editora que publicou suas três obras. A entrevista foi feita em 2008, ano em que o cineasta foi homenageado na terceira edição da CINEOP – Mostra de cinema de Ouro Preto, com Lúcia Mendes de Andrade Rocha, a mãe de Glauber. Na transcrição a mãe comenta aspectos da carreira de Glauber, como quando ele se interessou pela carreira e como ela influenciou (diretamente com patrocínios próprios) a produção dos primeiros títulos do cineasta: “Vendi um casarão lindo e dei o dinheiro a ele para terminar A idade da Terra. Ele só tinha filmado, mas precisava montar e não tinha condições. Mas eu não fico triste com isso, não, porque a casa só servia para eu morar, eu não tinha mais filho. E hoje o filme é como uma casa… é para vocês.”  A conversa é curta, mas vale uma leitura para primeiro entender os primeiros passos de um gênio e segundo entender que o respeito pela obra de Glauber, hoje patrimônio dos brasileiros, é responsabilidade não apenas dos seguimentos artísticos e políticos do Brasil, mas de cada um interessado, no mínimo que seja, por aquilo que nos é autóctone, e, diretamente, é peça no extenso mosaico de nossas identidades.

Para ver a entrevista, clica aqui. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Onze filmes que tratam sobre a vida de pintores

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232