Um dia mais um ano para Drummond

Um livro de poemas inéditos, uma nova editora, títulos especiais, acervo pessoal sob nova guarda, homenagem na Flip, exposições, uma nova antologia em inglês. Com esse itinerário de novidades publicadas pelo Caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo anuncia-se uma série de acontecimentos para celebrar em 2012 os 110 anos de nascimento do poeta Carlos Drummond de Andrade.

Já em outubro, dia 31, dão-se as prévias do porvir. O Instituto Moreira Salles, que atualmente detém a guarda de parte do acervo do poeta, promove o "Dia D". A data emblemática tem uma justificativa e um propósito. Foi em 31 de outubro de 1902 que o poeta nasceu e a celebração proposta pelo IMS quer se tornar uma data cultural no calendário brasileiro como é o 16 de junho para James Joyce.

Vale ressaltar que essa parceria com o IMS já rendeu uma luxuosa edição comemorativa para o Alguma poesia. (Aqui)

Quanto as publicações, a mesma nota do Ilustrada dá contas de que ainda esse ano a Cosac Naify deverá trazer a lume Poesia traduzida, uma antologia com autores estrangeiros traduzidos por Drummond
.



Autocaricatura de Carlos Drummond de Andrade, com caneta-tinteiro e lápis de cor sobre papel

Divulgação/Fundação Casa de Rui Barbosa. Autocaricatura de Carlos Drummond de Andrade, com caneta-tinteiro e lápis de cor sobre papel

Ainda pela Cosac deverá sair mais quatro títulos: Confissões de Minas, Passeios na Ilha, textos entre o ensaio e a crônica já há muito fora de circulação, uma edição de poesia crítica e Os 25 Poemas da Triste Alegria, o tal inédito.

O inédito nada mais é que a primeira obra de Drummond, escrita em 1924 e renegada pelo poeta. O original foi comprado de uma pessoa próxima ao autor pelo professor da UFRJ Antonio Carlos Secchin. A Cosac vai publicar então uma edição fac-similar, com as anotações feitas mais tarde por Drummond no volume.

Saído da Record, a nova casa editorial do poeta é a Companhia das Letras. Para início de 2012, a editora começa o trabalho de reedição de toda a obra de Drummond. Do modo como a editora conduziu o relançamento da obra de Jorge Amado, a obra do poeta maior será guiada por um conselho editorial e projeto gráfico próprios com lançamentos de 12 a 14 títulos por ano, entre poesia e prosa. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro