Carlos Drummond de Andrade, o tradutor




Outro dia comentamos neste blog que a editora Cosac Naify iria trazer a lume uma face um tanto quanto inédita do poeta de (mais de) sete faces. Pois bem, saiu em nota no blog da editora a chamada de lançamento de Poesia traduzida contendo poemas de diversos poetas traduzidos pelo poeta maior.

Júlio Castañon Guimarães, que é o organizador da obra, conta que, ainda na década de 1950, o próprio Carlos Drummond de Andrade havia chegado a pensar em reunir suas traduções de poesia numa edição em livro, mas, o que, sabemos, não aconteceu. Sabemos também que seu trabalho como tradutor é notório. O poeta traduziu vários livros de prosa, teatro e, conta Júlio, até um livro sobre pássaros.

Segundo o organizador da edição, o trabalho de reunir as traduções dos poemas foi uma iniciativa de Augusto Massi. E os dois entraram nessa empreitada à cata dos materiais em jornais e revistas, veículos onde Drummond publicava assiduamente, como o Diário Carioca, Correio da manhã, Revista Acadêmica, entre outros. O resultado é agora esse volume com 64 textos apresentados no âmbito de uma bela coleção de poesia editada pela Cosac Naify, a mesma que já editou antologias caprichadas, de poetas como Adília Lopes e Francisco Alvim, "Ás de colete".

Na obra, estão versões do francês, do espanhol e do inglês, localizados em originais a partir de indicações do arquivo de Drummond depositado na Fundação Casa de Rui Barbosa, no Rio de Janeiro, e de especialistas na obra do poeta; são poemas de poetas como Apollinaire, Bertolt Brecht, Paul Claudel, Paul Éluard, Federico García Lorca, Paul Morand, Jacques Prévert, entre outros. Além disso, a obra preserva, no final do volume, as notas e explicações para os poemas feitas pelo próprio Drummond que, nos originais, acompanhavam os textos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro