Os três mosqueteiros, de Paul W. S. Anderson

Por Pedro Fernandes



Quem ainda não foi ver Os três mosqueteiros permaneça onde está. Guarde as notas que você dá a mais para ver um filme 3D e faça o que quiser delas, mas não vá ver o filme. A menos que você seja capaz de se desapegar de tudo quanto for ruim na obra de Paul W. S. Anderson. Se a ficção mantém um pacto com a realidade, aprenda o contrário: ignore o pouco que você aprendeu sobre as leis da Física e das aulas da História e da literatura de Dumas. Ignore porque o filme passa por cima de tudo. Se você for capaz de abstrair isso poderá encontrar algum sentido ou até se divertir com a historieta. Senão, volto ao que disse, guarde seus trocados.

O filme peca em vários aspectos. Um deles é o enredo. Se no início a coisa aponta para a reforma do grupo de espadachins semiaposentados Aramis, Porthos, Athos e D'Artagnan, com a migração deste último do interior para a Paris oitocentista, perde-se. Inicia-se então uma veia romântica de um romantismo piegas, primeiro entre o recém morador de Paris, depois de um rei "amaricado" por uma adolescente da corte. E pronto. O fio romântico até que vai até o fim da trama. Mas, não é uma, nem duas vezes que se perde. Isso tudo para dá contas da recuperação de uma jóia roubada por ladra daquelas de filme de espiões contemporâneos - que, pode acreditar - rompe uma barreira de feixes de raio laser e a leva consigo. E eu cá me pergunto, onde havia naquela época tal tecnologia. Se anacronismo fosse só esse, era pouco. Mas tem, nas cenas de ação, efeitos a Matrix que, convenhamos, é totalmente inapropriado para filmes de época. Talvez tanto anacronismo assim só perca para a caracterização das personagens em A garota da capa vermelha, outro fiasco.

No mais, o que se assiste é uma pressa constante como se quisesse logo chegar a um desfecho, mas o espaço a ser preenchido é longo a ponto de a história nao ser suficiente para dar contas. Talvez por apostar no entrelaçamento de três histórias, talvez porque imprimir ação num filme que tende mais para a "melosidade" das tramas românticas. Devo voltar ao roubo da jóia para observar, agora que me lembro, de mais um rombo no enredo. A reunião do grupo dos três mosqueteiros é, em primeiro plano, para salvar o império francês de uma crise com a Inglaterra e, na mesma cajadada, salvar a própria identidade do grupo. Mas, é o roubo da jóia que muda o curso dos interesses. A jóia ocupa a função de ser a matriz da crise - parece que de propósito.

Se alguém ainda quiser esperar por Orlando Bloom para ver se salva alguma coisa. Terá outra decepção. Tão caricato quanto o adolescente rei francês será ele na pele do duque de Buckingham. De modo que, por essa curta lista de erros, o que mais você pode fazer com alguns trocados é comprar uma versão em DVD pirata e levar para colocar na Tv enquanto toma sua cerveja num domingo e escuta aquela sua música preferida. Acertará quem se decidir por esse caminho. Por isso, que este integra, desde já, aquela lista de alguns dos filmes não brilhantes.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232