Andréa del Fuego




Não é lugar-comum afirmar que o sucesso de um escritor - na maioria das vezes - vem tarde; tão tarde que - na maioria das vezes também - vem depois de sua vida. Num país onde arte é sinônimo de vacância ou atividade paralela, ainda mais. Mas, remando contra a maré, eis que vem, já de longa data, afinal esta autora, publicou seu primeiro trabalho há cerca de sete anos, Andréa del Fuego. A escritora é a última ganhadora do Prêmio José Saramago, instituído há sete anos e que tem dado relevância a autores em construção. 

Andréa del Fuego é paulista e tem ainda uma curta obra. Nascente, dirão uns. Mas que já aponta algumas raízes temáticas e incursõs bastante sólidas por alguns gêneros literários, dirão outros. A obra de estreia da autora foi a trilogia de contos Minto enquanto posso, publicada em 2004. No ano seguinte, Nego tudo; em 2007, Engano seu; em 2008, Quase caio e o romance infanto-juvenil Sociedade da caveira de cristal. Em 2010, publicou o seu primeiro romance Os Malaquias - obra com a qual venceu o Prêmio José Saramago.

A autora também figura em muitas antologias importantes tais como Histórias femininas, Capitu mandou flores, +30 mulheres que estão fazendo a nova Literatura brasileira.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)