Sobre o III FLIPIPA


Por Pedro Fernandes



Ano passado tive o privilégio de me instalar os três dias do evento, num albergue na Praia da Pipa, e aproveitar dia após dia a programação do Festival Literário da Pipa. Esse ano, pelo rol de atividades que estou a desempenhar nesse fim de mês – um encerramento de semestre, um início de outro na Universidade e ainda mais a coorganização do II Colóquio Nacional de Linguagem e Discurso – me fizeram está em total desestrutura temporal para cumprir com uma agenda de discussões sobre Literatura bastante extensa como foi a dessa terceira edição. 

Mas, o senso de curiosidade, o espírito de aventura e-ou certa vontade de sair da mesmice urbana, levaram-me a última noite de sábado, 19 de novembro, à praia da Pipa. Fui, num bate-e-volta como se costuma chamar por aqui, até o III FLIPIPA ver de perto a estrutura nova do festival e passear ainda entre as mesas de Eucanaã Ferraz e Rubens Figueiredo. É verdade, que os convidados desse ano não foram estimulantes ao ponto dos que foram os do ano passado. Curiosidade mesmo só tinha pelo filho da Sophia de Mello Breyner Andresen, o Miguel de Souza Tavares, que deve ter aproveitado a estadia no Nordeste – antes o escritor esteve em Olinda na FLIPORTO – e deu uma esticada até a ponta do mapa. Não que o escritor seja merecedor dessa atenção toda, mas é que o tem sobre o qual ele discorreria é uma dos que me intui academicamente: literatura e história. 

A última noite de FLIPIPA foi suficiente para dizer que o festival esse ano ampliou-se e não perdeu a qualidade. Teve, certamente, uma grande aceitação pelo público, seja pela dimensão que evento ocupa para o calendário de uma praia que só ganha a superlotação de pessoas nos Réveillon e, não somente isso, encarna o espírito artístico ao ser um evento que não se deixa contaminar (ainda) pelos níqueis castradores do capital – apenas nos livros oferecidos pelo único stand de livraria presente por lá. Mas, isso é outros quinhentos.

Fica, pois, a expectativa para a edição de 2012 e queira está um tanto quanto mais livre a fim de que possa repetir a façanha de 2010.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

A ignorância, de Milan Kundera

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239