Guerra e Paz, de Tolstói


Vista lateral de Guerra e paz publicado pela Cosac Naify em tradução direta do russo para o português pelo Rubens Figueiredo. A obra também traz um texto de apresentação feito pelo escritor.

É sim um grande romance – em todos os sentidos. No tema, na forma e na dimensão do enredo, 2 536 páginas. É mais um objeto de desejo construído pela Cosac Naify e que chega ao Brasil em tradução direta do russo para o português. O trabalho conduzido pelo escritor/tradutor Rubens Figueiredo que levou três anos para realizá-lo.

Agora, fazer o design de um livro nessas dimensões é coisa para poucos. Em texto da responsável pela arte da Cosac Naify publicado no blog da editora o dificuldade foi fazer um livro desse porte se tornar um convite à leitura. A inspiração veio olhando para as edições de bíblias – que conseguem condensar suas páginas em grandes volumes compactos e flexíveis; a partir daí, asas à criação e o resultado foi um livro em papel espanhol, o bibloprint, um papel que tem  espessura, textura, cor e flexibilidades ideais para o procurado. 

Outro detalhe na obra são as suas ilustrações: os tomos são marcadas por trabalhos russo Serguei Adamovitch, feitas originalmente para uma edição de contos do Tolstói encontrada num sebo em viagem de férias a São Petersburgo em 2005 (quando a editora já planejava lançar este livro). Depois, uma encadernação que se justapõe a esse trabalho de escolha do papel. 

E o resultado são dois volumes de um romance em que o Tolstói certamente deve ter feito uma longa pesquisa documental e deve ter levado, pela exigência criteriosa que tinha no processo de composição e estruturação da escrita, anos para concebê-lo. Um desafio para o leitor contemporâneo e um convite a visitar uma das obras fundamentais da literatura universal.  

Detalhe de um dos trabalhos do artistia russo Serguei Adamovitch, feitas originalmente para uma edição de contos do Tolstói e encontrada num sebo em viagem de férias a São Petersburgo em 2005, quando a editora já planejava lançar Guerra e Paz.

E por falar do plano de construção do romance, uma carta escrita a Sônia Andréievna Berhs, esposa do escritor, revela o que se passava pela cabeça de Tolstói quando chegam em Moscou em 1867. Antes disso, o escritor russo já havia visitado o campo de batalha de Borodinó, onde aconteceu o embate entre russos e franceses que levou o enfraquecimento do exército de Napoleão. Bom, feitas essas apresentações, e diante de um ignorante que não leu a obra do escritor russo e só admirou-a na livraria, só resta dá voz ao texto de apresentação do romance pela editora que além de se preocupar com livros-arte também se preocupa com a grandiosidade das obras:

“Milhões de pessoas praticaram, umas contra as outras, uma quantidade tão inumerável de crimes, embustes, traições, roubos, fraudes, falsificações de dinheiro, pilhagens, incêndios e assassinatos, como não se encontra nos autos de todos os tribunais do mundo em séculos inteiros [...]. O que produziu tal acontecimento extraordinário?”. Empenhado em responder a esta pergunta, através da busca pela verdade histórica dos fatos, e em argumentar com os historiadores de sua época, que no seu entender resumiam os acontecimentos nas ações de algumas figuras poderosas, Tolstói escreveu um dos maiores romances da literatura mundial. Guerra e paz descreve a campanha de Napoleão Bonaparte na Rússia e estende-se até o ano de 1820. Baseado em meticulosa e exaustiva pesquisa – com fontes que vão dos estudos do francês Adolphe Thiers e do russo Mikháilovski-Danílevsk a testemunhos orais –, Tolstói reconta os episódios que culminaram na derrota francesa e retrata, à sua maneira, personagens reais, como o próprio Napoleão e uma série de comandantes militares.

Abaixo o texto de apresentação feito pela Cosac Naify para o romance de Tolstói:




* Texto escrito com base nos textos "Produção de Guerra", de Elaine Ramos; "Querida Borodinó,", de Paulo Colonelli. Todos, publicações do Blog da editora Cosac Naify.

Comentários

uiara nunes disse…
Pedro, amei seu blog! Parabéns!:)

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232