José Régio

Por Pedro Fernandes



Já um tempo ouvi  "Cântico negro" pela voz de Maria Betânia. O poema é de José Régio. Escritor co-fundador de uma revista batizada de presença, ainda em 1927. O periódico acabou por ser, não apenas o nome de uma revista, mas de uma fase do período modernista português que havia brotado com os seus precursores Álvaro de Campos (o poeta das Odes), Almada Negreiros e Mário de Sá-Carneiro, autores de Orpheu, outra revista literária de curta de vida e longa balbúrdia no meio intelectual lisboeta.

Nascido na Vila do Conde, distrito do Porto, José Régio, foi mais que poeta, de profissão regular, foi professor; ainda na escrita foi romancista, crítico literário, dramaturgo, ensaísta... e teve sua trajetória pelas artes plásticas... compondo-se "uma das mais lúcidas consciências literárias de seu tempo", definido por Isabel Cadete Novais, uma das coordenadoras do Centro de Estudos Regianos.

Indagado a definir seu estilo, o autor de Poemas de Deus e do Diabo - seu primeiro livro publicado (era 1925) e nunca ficado pronto - José Régio atribui a Flaubert e Tolstói suas maiores influências, seguido de Camilo Castelo Branco, Dostoiévski e João Deus, primeiro poeta que leu com a devida consciência e que ficou a amá-lo para sempre. E a lista se estende: António Nobre, Cesário Verde, Gomes Leal, Flaubert, Ibsen, Baudelaire, Stendhal, Eça de Queirós, Proust, Kafka, Musil...

O escritor morreu em 1969 e deixou uma extensa obra literária que podemos, depois de Poemas de Deus e do Diabo, citar na poesia O filho do homem (lido por José Saramago como o livro que o despertou a escrever poesia), no teatro Jacob e o anjo e El-rei Sebastião, no conto História de mulheres e no romance O jogo da cabra-cega.

Ligações a esta post:
>>> Leia "Cântico negro" e outros poemas de José Régio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239