Inéditos (sem fim) de Fernando Pessoa



Desde o dia 30 de janeiro foi apresentado em Portugal (ainda sem data de aportar em terras brasileiras) pela editora Ática Sebastianismo e Quinto Império um novo título para a obra de Fernando Pessoa. O trabalho está sob o professor colombiano Jerônimo Pizarro.

Em entrevista para o jornal Público Jorge Uribe diz que em D. Sebastião o leitor se encontra com Pessoa a falar de Portugal de maneira próxima a da tradição popular: “Acho que um dos principais interesses de Pessoa pela figura de D. Sebastião tem que ver com uma maneira de fazer frente a Camões: D. Sebastião é uma personagem de Os Lusíadas, de Camões, todo o poema épico é dedicado a D. Sebastião, mas o D. Sebastião que está por vir depois de Os Lusíadas é uma oportunidade para Pessoa se defrontar com aquele que era o seu precursor literário mais importante”. D. Sebastião seria para Fernando Pessoa uma figura histórica com potencial o suficiente para fazê-lo entrar na história de Portugal onde Camões a deixou.

Sobre o Quinto Império, Jorge Uribe explica: “O Quinto Império é uma tradição profética muito extensa, muito grande, que vem de uma leitura de um texto hebraico, do Livro de Daniel, que está no Antigo Testamento, mas que começa na tradição cristã desde muito cedo a tentar descobrir que Nação será esse Quinto Império definitivo. Estamos a falar de alguns intérpretes de profecias ou dos pais da Igreja, mesmo – como, por exemplo, Tertuliano – que começaram a tentar fixar qual ia ser essa Nação definitiva. Trata-se de uma tradição profética que está à procura da compreensão da revelação última, da Nação última, e isto faz com que Pessoa, procurando essa interpretação para Portugal, esteja a aproximar-se de uma tradição de quase mil anos – do lado cristão, porque do lado hebraico são mais. São grandes tradições, de grandes livros, de grandes nomes, de grandes leituras, dos quais Pessoa era um constante seguidor. Realmente, o que nos interessou, neste livro, foi aproximarmo-nos de um Pessoa leitor, um Pessoa que está em constante contacto com centenas de livros e cuja escrita depois reflecte o que ele aprende nestes livros”.

Certamente, a obra entra para a extensa bibliografia do poeta que em vida publicou pouca coisa, mas que deixou um baú que já tem entrado para a história como um grande achado ou fenômeno de estudos dos mais diversos.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro