Jorge, amado Jorge


Comissão de frente da Imperatriz Leopoldinense. A escola de samba carioca celebra o centenário de Jorge Amado. A inspiração para o carro de abertura está no romance, já adaptado ao cinema, Capitães da areia. Foto: G1.com

Este foi o título dado ao enredo da escola de samba carioca Imperatriz Leopoldinense que viu no centenário de Jorge Amado, celebrado neste ano de 2012, e no colorido a obra do escritor baiano, a inspiração para montar um desfile. Vendo um retrospecto dos desfiles e algumas imagens, me parece ter sido um das mais luxuosas das escolas postas no domingo na avenida do samba, muito embora tenha havido alguns problemas na evolução. 

Destaque é para a comissão de frente (foto) chamada de "Capitães da areia" que se inspira no romance homônimo de Jorge Amado publicado em 1930, com trapezistas coreografando formas de carrossel humano. Na obra, um grupo de meninos de rua sobrevive às custas de pequenos furtos na Salvador em constante evolução e o carrossel aí representa um instante de iluminação poética para a mudança de vida dos meninos. O romance já mereceu uma adaptação, em 2011, para o cinema e para videogame.


 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro