Jorge Lucio de Campos



O poeta Jorge Lucio de Campos teve poemas seus incluídos na 3ª edição do caderno-revista 7faces, publicada em finais de 2011. Agora, está lançando pela Bookess e pela Clube de Autores, em versão impressa e em e-book, três coletâneas Os nomes nômades, Paisagem de noites e A realidade da pedra. Trata-se de uma versão revisada de suas cinco primeiras coletâneas, já esgotadas, Arcangelo (EdUERJ, 1991), Speculum (EdUERJ, 1993), Belveder (Diadorim/UNESA, 1994), A dor da linguagem (Sette Letras, 1996) e À maneira negra (Sette Letras, 1997), agora reunidas nestas três. 

Jorge Lucio de Campos é do Rio de Janeiro. Graduado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) onde cursou ainda o Mestrado em Filosofia, o Doutorado e um Pós-Doutorado em Comunicação e Cultura. Atualmente exerce a profissão de Professor em Análise da Informação, Introdução à Arte Contemporânea, Pensamento e Visualidade e Questões de Estética e de Teoria do Design na Escola Superior de Desenho Industrial, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), de Teoria da Comunicação I e II da Universidade Candido Mendes (UCAM) e de História da Arte (UNIVERSO). 

Sua produção não finda na poesia. Também é ensaísta e publicou, além dos verbetes relativos à arte brasileira do Dicionário Oxford de Arte (do qual também foi responsável pela revisão técnica), de Ian Chilvers, Harold Osborne e Dennis Farr (Martins Fontes, 1996), os livros Do simbólico ao virtual: A representação do espaço em Panofsky e Francastel (Perspectiva/EdUERJ, 1990) e A vertigem da maneira: Pintura e vanguarda nos anos 80 (Diadorim/EdUERJ, 1994), relançado como A vertigem da maneira: Pintura e pós-vanguarda na década de 80 (Revan/FAPERJ, 2002). 

Ligações a esta post
Leia os poemas de Jorge Lucio publicados na 3ª edição do caderno-revista 7faces, indo aqui.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro