Mariano Tavares – Sem Parar



Capa de "Sem parar". Fotografia Renato de Melo Medeiros


(press release)


Tendo iniciado sua carreira em 1994, fez o mesmo percurso que a maioria dos iniciantes fazem: tocou e cantou em bares e espaços culturais de Assu e Mossoró - onde é professor de Literaturas Norte-americana e Inglesa na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) – fazendo releituras personalíssimas da obra de artistas como Bob Dylan, Gilberto Gil, Lou Reed, Caetano Veloso, Alceu Valença, Morrissey, Adriana Calcanhoto, Leonard Cohen, Jards Macalé, entre outros.

Ao mesmo tempo em que se aprimorava como intérprete, ele também foi compondo suas próprias canções, marcadas por uma musicalidade e uma poesia altamente sofisticadas, de uma beleza e requinte que ultrapassam as fronteiras da música pop. Fronteiras que também não existem em suas influências, que vão desde medalhões do cancioneiro popular brasileiro da primeira metade do século passado – como Lupicínio Rodrigues, Ary Barroso, Nelson Gonçalves, Jamelão – aos contemporâneos norte-americanos Antony Hegarty, líder da banda Antony and the Johnsons, e Rufus Wainwright, compositor sobre o qual desenvolve pesquisa acadêmica. Outras influências musicais, poéticas, estéticas e conceituais de Mariano foram o movimento tropicalista, ocorrido no Brasil nos anos 1960, e o músico britânico John Cale, integrante da mítica banda norte-americana The Velvet Underground, uma das bandas seminais do rock conceitual. O resultado de todas essas informações foi o elogiado álbum: O Sobrado, seu debut, lançado em 2005. De lá para cá, suas apresentações são marcadas por uma teatralidade/dramaticidade que encanta pela excelência.

Em “Sem Parar”, Mariano Tavares apresenta 11 faixas composta por ele, sendo três em parceria com a poetisa e atriz Civone Medeiros (“É Dando Que Se Recebe”), com o economista e estudante de Direito Hugo Vargas Soliz (“It’s Not For Us”) e com o cantor e compositor Romildo Soares (“Sacrifício”), além de uma releitura de “How Should I Your True Love Know”, composta por William Shakespeare para o clássico da dramaturgia universal “Hamlet”. A canção “Sacrifício” também integra o repertório do DVD “Dos Pés à Cabeça”, do coral Harmus (Fundação José Augusto), que será lançado ainda neste semestre, do qual Mariano participa como intérprete.

Segundo o próprio compositor, o título do novo trabalho foi retirado de uma de suas canções favoritas, aquela que abre o disco, mas também se refere à relação de paixão absoluta que mantém com o palco e com a canção. De certo modo, diz Mariano, “esse novo cd também  quer apontar para o fato de que essa relação, tão vital e incontrolável para mim, também nunca se interrompe, nunca para, apesar dos hiatos”. Na perspectiva do artista, “Sem Parar” faz referência “à continuidade de tudo aquilo que não controlamos no mundo, a natureza, o amor, o acaso, a beleza, o futuro, a inocência, o sonho, a morte; tudo aquilo que desliza nos espaços da vida, continuamente, ininterruptamente, sem parar”. 

A sonoridade do álbum é propositadamente muito simples, quase folk, tentando criar uma atmosfera mais seca com uso de poucos instrumentos, como em “Sacrifício” (apenas piano e voz), ou “Se Eu Te Chamar de Baby” (apenas violão e voz) - já disponível no canal do Youtube do cantor. No disco, além de produzir, compor, cantar e tocar violão, Mariano Tavares é acompanhado pelo pianista, arranjador e co-produtor do cd, Humberto Luiz, pelo violonista e guitarrista Alison Brazuka, pelo baixista Paulo Oliveira, pelo baterista Di Stéffano e pelo percussionista Sami Tarik. Duas cantoras da novíssima geração da música potiguar, Katarina Góis e Simona Talma, participam do CD dividindo os vocais com ele na belíssima “Não Há Segredo” e na delicada “Para Onde os Sonhos Vão?”, respectivamente.

Por questões de liberação de direito autoral, ficou fora de “Sem Parar” uma versão de “Idade de Ouro” (Age d’Or), poema escrito pelo simbolista francês Arthur Rimbaud, que Mariano Tavares musicou. Apesar de não figurar oficialmente no álbum, “Idade de Ouro”, em um videoclipe que apresenta cenas do filme “Home Movies” (1938), do fotógrafo e pintor norte-americano Man Ray, um artista que conferiu à imagem o mesmo nível de beleza, originalidade e transcendência com que Tavares realiza sua música. 

A partir de Março o cd estará disponível para venda em Natal, Assu e Mossoró, e também na internet através do site da Livraria Cultura e do site do próprio compositor, marianotavares.com, onde serão disponibilizadas a agenda de shows que deverão acontecer a partir de abril. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Água viva, de Clarice Lispector

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232