Um novo livro em torno de Pessoa



Quisera eu puder dar contas de todo o itinerário posto em torno da figura de escritores como Fernando Pessoa. Verdade é que, não damos conta (no sentido de acompanhar ou esgotar leituras) nem do escritor mais simples quanto mais de um que da envergadura de um Pessoa. Mas, algumas novidades que vão surgindo em torno do nome, não se pode fugir à regra da divulgação. 

No momento em que são publicados inéditos do poeta em Portugal, chega ao Brasil, pela Companhia das Letras uma Fotobiografia de Fernando Pessoa organizada por Joaquim Vieira. A obra vem com texto do americano especialista na obra pessoana e também idealizador da edição, Richard Zenith, e reúne mais de 400 imagens, incluindo fotos, desenhos, caricaturas, cartas, diários, rascunhos, manuscritos e datiloscritos, reproduções de jornais e revistas em que publicou, além de obras de arte feitas em homenagem a Pessoa. 

Fernando Pessoa em três momentos (clique sobre a imagem para ampliar)


A modo da última biografia lançada sobre o poeta português essa fotobiografia especula miudezas da sua vida pessoal, tais como o único relacionamento afetivo mantido por ele, o namoro de um ano com Ofélia Queirós.

O que parece ser destaque nesse itinerário da vida do escritor são os detalhes apresentados acerca dos lugares onde o poeta morou e trabalhou. Despido de muitos apetrechos de uma só (famosa) arca, lugar onde guardava tudo, Pessoa foi nômade. Ainda aos sete anos foi com a família para Durban, na África do Sul e lá permaneceu até durante boa parte de sua adolescência. Zenith foi o encarregado de buscar informações desse período como desafio de que nenhum dos edifícios de Durban em que Fernando Pessoa existe hoje.

Destaque também para algumas peças raras da sua obra, como o primeiro poema escrito na idade em que foi para a África, os manifestos publicados nos periódicos pelos quais passou, como "O Palrador", de 1903, as cartas trocadas com Ofélia, manuscritos de poemas famosos e mapas astrais desenhados pelo poeta.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro