O grande livro sobre a Mona Lisa



Leonardo Da Vinci começou a pintar a Mona Lisa em madeira 73cm x 73cm em 1503. Mona é abreviação de madonna. Lisa Gherardini, a Mona Lisa, nasceu em junho de 1479, e se casou com Francesco del Giocondo quando ela tinha ainda 16 anos e ele 19 a mais. Quando Da Vince a pintou já tinha seis filhos e um deles havia morrido. 

O retrato entrou para a coleção do Museu do Louvre em 1797, quando o museu completava quatro anos de sua abertura. Napoleão a levou para uma temporada em seu dormitório. E, até meados de 1800, essa não era a obra mais famosa do pintor italiano e sim A última ceia - a mais reproduzida.

A fama da Mona Lisa é uma criação romântica. A obra estava no lugar e no momento oportunos: a Paris do século XIX - um tempo burguês que se mirava no espelho de outro tempo burguês, o Renascimento. O suficiente para um tal de Théophile Gautier convertê-la em protótipo de mulher misteriosa.

Em agosto de 1911, Vicenzo Perugia, antigo empregado do Louvre, roubou o quadro. O ladrão preferiu quadro porque era pequeno e fácil de carregar. No terreno dos roubos, um que levou o quadro a entrar em definitivo para o rol dos mais importantes foi acusação feita de que Picasso e Apollinaire também terim roubado o quadro. A obra, entretanto, foi recuperada em Florença quando Perugia estava tentando vendê-la a um antiquário.

A obra tornou-se a mais reproduzida e parodiada, como nenhuma outra antes ou depois. Uma dessas cópias é a exibida no Museo do Prado. Em 2000 tornou-se, depois de uma enquete realizada na Itália, a pintura mais conhecida do mundo, mais até que Os girassóis, de Van Gogh, A primavera, de Botticelli e O grito, de Munch. 

A tela saiu do Louvre algumas vezes: em 1963, foi exibida em Nova York e Washington durante dois meses. Periódo suficiente para mais de 1,5 milhão de pessoas irem ver o quadro. Depois, em 1974, a tela foi exposta no Japão. Desde então, não saiu mais do Louvre, onde os visitantes passam em média 1min diante do quadro que é exposto através de uma vitrine especial protegido por vidros blindados.

Todas essas curiosidades são destrinçadas em Mona Lisa: The History of the World's Most Famous Painting, de Donald Sassoon (com tradução no Brasil pela Editora Record). Nascido no Cairo, discípulo de Eric Hobsbawn e professor em Londres, Sassoon explora minuciosamente o que fez da Monalisa o quadro mais famoso do mundo. 

Os livros sobre a Giocondo são todos biográficos. Vasari biografou o artista Da Vinci a partir do quadro; Freud e Paul Valéry escreveram ensaios sobre a figura; Charles Nicholl compôs umas das biografias mais completas e Martin Kemp alguns dos estudos mais sofisticados em torna da obra. Além disso, Roberto Zapperi relançou há alguns anos a teoria de que a Mona Lisa não era Lisa Gherardini, a mulher de Giocondo, e sim, Pacifica Brandani, amante de Giuliano de Medici.  Mas, o trabalho de Sasson apresenta-se como inovador porque não está preocupado com traços biográficos se não os do próprio quadro em si. O autor se preocupa em investigar as razões do fascínio pelo quadro de Leonardo da Vinci e mostra como o artista criou a obra e como artistas como Botero e Andy Warhol entre outros, assim como publicitários usam e abusam dela. No livro, há a uma análise das qualidades revolucionárias da obra do ponto de vista estético e trata das técnicas para a composição do sorriso enigmático.


_______________
texto escrito tomando por base notas de El gran libro sobre la Gioconda, de Javier Rodríguez Marcos, publicado em Letra Pequeña.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239