Livro é objeto-sujeito


Pormenor de O bibliotecário (1562). Oléo sobre tela. 91x71cm. Giuseppe Arcimboldo

Acho que não é mais necessário falar sobre o legado insofismável dos livros. Sim, eles mesmos que não de hoje, mas hoje é dia, têm data comemorativa mundial. Data controversa porque, quando se criam dias para, eles servem para quê? Para não deixar que a coisa ou fato comemorado caia no esquecimento. Essa deve ser a primeira resposta que vem a cabeça de todos que forem confrontados com a pergunta. E a resposta é verdadeira; tanto que o difícil é ter de explicar por outro caminho. Não me darei ao trabalho de fazer esse outro caminho possível. Tais datas existem para isso e pronto. Já têm quando de sua criação suas necessidades desenhadas e muito se comenta o porquê de ter escolhido a tal altura um dia específico em que se deseja que uma determinada coisa ou fato seja longamente lembrado para que tenha também longa vida.

Quero apenas dizer que, além de um legado sem palavras o livro, concretiza em si a melhor forma de vencimento da vida sobre a morte. Por ele, é possível olhar o que se passa no mundo ou nas almas, observar o já visto para ver o porvir. Ele é espaço no qual transitamos e compomos nesses trajetos um movimento que ensaia a nossa própria existência. 

***

Num Dia Mundial do Livro quero anunciar, por fim, que meu livro em breve estará disponível para aquisição. Intitulado inicialmente de Retratos para a construção da identidade feminina na prosa de José Saramago einicialmente anunciado que teria a CRV Editora como espaço para concretização da ideia, os rumos tomados foram outros. Submetia o manuscrito a uma cuidadosa revisão minha quando se atravessou em meu caminho a proposta da Editora Appris. Novamente enviado ao comitê científico, o manuscrito foi aceite e será essa editora a que comercializará, até o fim do semestre para início do próximo, o livro que até agora atende pelo nome Retratos para construção do feminino na prosa de José Saramago. Assinei o contrato editorial esta semana e estão trabalhando agora na editoração e elaboração dos designers de capa. Esse livro é objeto-sujeito de meu trabalho de pesquisa durante o Mestrado em Letras.

Os leitores de Letras in.verso e re.verso estarão a par, de agora em diante, de todas e quaisquer novidades em torno da ideia.

***


PS.: Fica lembrado. O Dia Mundial do Livro foi instituído em 1995 pela Unesco. Homegeia-se a imortalidade de Cervantes e Shakespeare, falecidos no dia 23 de abril. A ideia se inspira no costume catalão de, nesse dia, se oferecer uma rosa a quem compra um livro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Quando Borges era Giorgie