Asas do desejo, de Wim Wenders

Cena de Asas do desejo. O mundo desencantado da imortalidade foi filmado em preto-e-branco.

Fábula poética sobre anjos coloca a imortalidade em xeque, em favor dos sentimentos humanos

Dos três grandes diretores do chamado "novo cinema alemão" da década de 1970 - os outros são Werner Herzog e Rainer Werner Fassbinder - Wim Wenders foi o que atingiu maior popularidade, até por ter tido a chance de trabalhar em Hollywood. Depois de conquistar os cinéfilos com títulos como Alice nas cidades (1974) e O amigo americano (1977), Wenders foi  para os Estados Unidos no início da década de 1980, onde enfrentou sérias dificuldades para rodar Hammett (1982). Em seguida, tornou-se mais conhecido do grande público com o memorável Paris, Texas (1984). De volta ao país nata, gestou sua segunda obra-prima, Asas do desejo, pelo qual ganhou o prêmio de Melhor Diretor em Cannes (Paris, Texas, levar a Palma de Ouro em 1984).

O filme é protagonizado por dois anjos, Damiel (Bruno Ganz) e Cassiel (Otto Sander), que observam o cotidiano de Berlim no pós-guerra e tentam confortar as almas perdidas e perturbadas. Cansados de sua imortalidade vazia, invisível e despida de emoções, eles invejam os humanos e seus sentimentos, sensações e sentidos - para evidenciar isso, o mundo dos anjos é mostrado em preto-e-branco e o dos homens, em cores. A dupla se entrega a poéticos monólogos interiores sobre a condição de criaturas condenadas a não sentir, apenas pensar, e a biblioteca onde passam horas lendo intensifica a distância entre o intelecto e o coração. Até que Damiel resolve renunciar à essa vida perene para viver um romance e se apaixona por Marion (Solveig Dommartin), uma bela trapezista de circo. Wenders ilustra os devaneios metafísicos dos anjos com passeios de câmera, paciente e contemplativa, por ruas e arquitetura da cidade.

A partir dos anos 1990, o diretor viu sua carreira entrar em um ritmo desigual. Para cada trabalho do nível de Buena Vista Social Club (1999) e Estrela solitária (2005), fez filmes irregulares como O fim da violência (1997) e O hotel de um milhão de dólares (2000) - todos resultados de sua segunda estada na América. Seu melhor momento à época foi a continuação de Asas do desejo, Tão longe, tão perto (1993), do remake hollywoodiano Cidade dos anjos (1998), em que a poesia do filme original deu lugar ao melodrama barato.

* Revista Bravo!, 2007, p.85.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Quando Borges era Giorgie

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse