Dalton Trevisan


Dalton Trevisan. A foto é uma das últimas feitas do escritor que escolheu a reclusão como lugar estético.


Conforme foi notícia na imprensa, o Prêmio Camões, hoje o maior prêmio literário de língua portuguesa, teve mais uma vez um ganhador brasileiro - a mim, totalmente desconhecido. Não totalmente porque conheço de nome o escritor e alguns títulos seus como O vampiro de Curitiba, título aliás, que acabou, como li depois em algures, sendo epíteto de Dalton. 

Já na 24ª edição, o Prêmio Camões, que foi instituído por Portugal e Brasil, já distinguiu escritores como Miguel Torga, o primeiro vencedor, José Craveirinha, Vergílio Ferreira, José Saramago, Pepetela, Sophia de Mello Breyner Andresen, Eugénio Andrade, Agustina Bessa-Luís, António Lobo Antunes, Arménio Ferreira. Dos brasileiros, ganharam o poeta João Cabral de Melo Neto, Rachel de Queiroz, Jorge Amado, Antonio Candido, Rubem Fonseca, Lygia Fagundes Telles, Ferreira Gullar, Autran Dourado e João Ubaldo Ribeiro.   

***

Dalton Trevisan nasceu em 1925, em Curitiba. É formado em Direito. Foi jornalista policial e crítico de cinema, antes de dedicar-se à literatura. Começou a publicar em 1945, apesar de renegar as duas primeiras publicações suas Sonata sempre ao luar e Sete anos de pastor

Entre 1946 e 1948 foi editor da revista Joaquim, por onde passaram alguns dos importantes nomes da cena literária brasileira, como Antonio Candido, Mário de Andrade, Otto Maria Carpeaux, Carlos Drummond de Andrade, José Paulo Paes, Candido Portinari, Di Cavalcanti, Vinicius de Moraes, entre outros. A revista, de tiragem irregular, ainda rendeu 21 edições e marcou-se com um importante espaço para a chamada geração dos modernistas e do Grupo de 45.

Os livros de Dalton Trevisan são publicados há mais de 30 anos pela Editora Record. O alcunha de vampiro herdado de O vampiro de Curitiba, não lhe é gratuita. Dalton, como Rubem Fonseca, não tem grande afã por aparecer publicamente, seja para fotos, seja para entrevistas, seja para as cerimônias de premiações literárias. (Se bem que o Rubem quando esteve em Portugal se soltou). E olhe que o Dalton já recebeu prêmios como o Jabuti (quatro vezes), o primeiro deles por Cemitério de elefantes e o último por O anão e a ninfeta; também recebeu o PEN Club do Brasil, por Morte na praça e em 2003, dividiu com Bernardo Carvalho o Portugal Telecom com o livro Pico na veia. A escolha pelo isolamento se reflete no próprio design da obra como bem repara Luiz Guilherme Barbosa num ensaio publicado na edição do Jornal Rascunho:

"Seus livros são publicados há mais de 30 anos pela editora Record, em projeto gráfico simples e preciso: em geral, a capa reproduz, sobre fundo branco, alguma gravura — do paranaense Poty Lazzarotto, do alemão Georg Grosz ou do mexicano José Guadalupe Posada; a contracapa, a mesma gravura; as orelhas, um trecho da obra que se lerá. Nenhuma nota biográfica a respeito do autor, nenhuma apresentação pelo editor, nenhuma frase de jornalista ou crítico, nenhum prefácio. Quando a gravura ocupa toda a extensão da capa e da contracapa, como em Violetas e pavões, talvez até se estranhe a presença do logotipo da editora à frente ou do código de barras atrás, como um excesso a edição tão concisa — ares de edição marginal produzida pelo maior conglomerado editorial do país. Trata-se de um projeto gráfico que encena a circulação social desta obra, além de oferecer uma imagem dos próprios contos."

No centro dessa aparente radicalidade - para usar ainda dos termos de Luiz Guilherme - está a ausência de notas biográficas, marcando um insulamento quase que total do homem Dalton e o universo que circunda os livros. É ainda Luiz Guilherme quem observa a atitude do escritor como um gesto estético que aposta no caráter autônomo da obra literária. "Além disso, mantém-se o anonimato do habitante da cidade grande ... homem da multidão que devolve literatura e anonimato para a paisagem urbana, sem contribuir com suas falas e seu rosto para a circulação da cultura nas mídias ou nas universidades. Essa recusa à encenação constitui ela mesma uma encenação de escritor, mesmo que à revelia."

Além das obras aqui citadas, Dalton Trevisan publicou também Morte na praça, Mistérios de Curitiba, Guerra conjugal, O rei da terra, O pássaro de cinco asas, A faca no coração, Abismo de rosas, A trombeta do anjo vingador, Vírgem louca, loucos beijos, Crimes de paisão, Desastres do amor, A polaquina, Pão e sangue, Em busca de Curitiba perdida, Dinorá - novos mistérios, 234, Capitu sou eu, Macho não ganha flor, Desgradecida, O maníaco do olho verde, entre outros. 




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Quando Borges era Giorgie

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Jane Austen: casamento e dinheiro

Boletim Letras 360º #232