O rico trabalho de Matt Kish

Não é tarefa das mais fáceis. Gustave Doré, por exemplo, que começou a desenhar ainda aos treze anos e aos catorze publicou uma edição para Os trabalhos de Hércules, levou pelo menos sete anos para compor o primeiro conjunto de  ilustrações para A divina comédia, de Dante. Deverá ter levado tempo maior ou igual para fazer o mesmo com a Bíblia ou com Dom Quixote, de Cervantes, dois outros livros tão portentosos quando o de Dante.

Ilustrar todo o Moby Dick, de Herman Meville, eis o primeiro desafio autoimposto por Matt Kish.


Já muito distante de Doré em tempo e técnicas - o francês usava o desenho a lápis e viveu entre 1832 e 1883 - Matt Kish, um sujeito que não é artista plástico e é de 1969, deu-se ao desafio de ilustrar página a págia do Moby Dick . E tudo por paixão pelo romance de Herman Melville. O trabalho levou dois anos e foi publicado em livro impresso. Mas quem não tem acesso pode ir ao blog do Matt que terá lá todos os trabalhos. Foi de lá que saiu, por exemplo, a imagem que ilustra a abertura deste post, uma das páginas. A cada nova composição ele publicava por lá. 

A inspiração para um trabalho tão grande veio de Zak Smith que fez o mesmo com O arco-íris da gravidade, de Thomas Pynchon. Feito todo manualmente e se beneficiando de diversas matérias primas como tinta acrílica, caneta esferográfica, papel, spray, etc. Kish renovou as 552 páginas de Moby Dick



Agora, em abril desse ano, o mesmo Kish anunciou outro desafio: criar 100 ilustrações para uma nova edição de Coração das trevas, de Joseph Conrad, que será lançada nos Estados Unidos em outubro de 2013. Só que, diferentemente do que fez com o primeiro trabalho, o de agora não será publicado integralmente na web. Ele diz que apenas irá divulgar cerca de 30 trabalhos à medida que for compondo as imagens. 

O último desenho publicado foi este segundo que ilustra o post, dando contas da página 100 do livro de Conrad. Até agora, ele divulgou 10 das 30 imagens prometidas. Esforços à parte, o trabalho de Matt Kish é de uma riqueza única.


______________
Fonte: Casmurros. As imagens estão na página de Matt Kish e podem ser vistas indo por aqui. Além de vê na íntegra o Moby Dick também poderá ver desenhos alternativos compostos à parte e que não entraram na contagem dos quinhentos e tantos e outros trabalhos de Kish.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Quando Borges era Giorgie