Os desenhos de Salvador Dalí para "A Divina Comédia", de Dante



Dante Alighieri nasceu em Florença, Itália, em 1265. Inicialmente, sua poesia tinha o amor como tema central. Seu primeiro grande trabalho foi Vita Nuova. Exilado em Paris, Dante escreveu Convivio, espécie de súmula poética da filosofia medieval, bem como o tratado político Monarchia. Entre 1304 e 1308, já depois do exílio em Paris, mas não o desterro de Florença, que jamais expiraria, começou a escrever a Comedia, que no século XVI ganharia de Boccaccio o adjetivo Divina. A obra, contudo, só seria publicada na íntegra já perto da morte do autor, em 1321.

Tido como texto fundador da língua italiana, súmula da cosmovisão de toda uma época, monumento poético de rigor e beleza, obra magna da literatura universal, um clássico, e como bom clássico, este livro teve vários aventureiros que reservaram ao direito de representá-lo pela pintura. Dos artistas diversos que ilustraram a Divina Comédia estão Sandro Botticelli, no século XV, William Blake, no século XVIII, Gustave Doré, no século XIX – falaremos dele por aqui a seu tempo.



Hoje apresentaremos o trabalho que outro importante nome das artes plásticas fez para o clássico de Dante, Salvador Dalí que, por volta de 1950, quase seis séculos depois, deu início a composição de um conjunto de ilustrações para A Divina Comédia a pedido do governo italiano. A série com 100 pinturas em aquarela marcaram os 700 anos de aniversário da obra e levou quase dez anos para sua conclusão. O acordo com o governo foi desfeito por ter percebido, depois, que uma obra-símbolo da Itália não deveria ser ilustrada por um espanhol. Dalí, como se vê deu prosseguimento e findou o projeto por conta própria.



Os desenhos que já estiveram expostos em várias partes do mundo está agora, como noticiamos esta semana na fan page do Letras no Facebook, na galeria da Caixa Cultural, no Rio de Janeiro, até o dia 2 de setembro com entradas gratuitas. 

O Letras preparou um pequeno catálogo com 33 dos 100 desenhos.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro