Os 35 anos da eleição de Rachel de Queiroz para a Academia Brasileira de Letras



As mulheres levaram um largo tempo para conquistar os espaços públicos. No universo das letras, as que primeiro se aventuraram foram pelo terreno da mística: as experiências com o sagrado, os diálogos entre o plano divino e o plano terreno deram-lhe, por algum tempo, o respaldo para uma escrita também mística: uma, ditada para os homens, outra, escrita na surdina. 

No Brasil os lugares da mulher na literatura foram subestimados até muito recente. E sua aquisição só terá respaldo público em gestos como o que aconteceu em 4 de agosto de 1977, quando a Academia Brasileira de Letras decide no seu território habitado por homens empossar Rachel de Queiroz como membro para a 5ª cadeira, do falecido Cândido Motta Filho. 

O acontecimento gerou uma avalanche de reconhecimentos país afora. A própria Academia de Letras do Ceará que não lhe outorgara a posse com a desculpa de que a escritora não mais morava no Ceará e por isso não merecia o lugar, passou por revisão e mesmo só aceitando o nome da escritora vinte anos depois da ABL, o gesto não terá sido senão impulsionado pela atitude maior da própria ABL. E os membros da ABL ainda se engalfinharam num debate sobre o modelo do fardão a ser usado por uma mulher, desfazendo a ideia de que só às mulheres lhe interessam falar sobre moda. 

O gesto tem sua importância, tanta que decidimos escrever essas breves notas rememorando a data. E abaixo deixamos um catálogo com o Discurso de Posse, ato ocorrido em novembro do mesmo ano, acrescido de três fac-smíles de poemas de Rachel de Queiroz publicado na caprichada edição do Instituto Moreira Salles quando de seu centenário com o título de Mandacaru (vá por aqui para ler duas linhas sobre esse livro). Além disso, no Canal do Letras no Youtube (aqui) recuperamos uma entrevista com a escritora exibida pela TV Câmara em 2002. 





Ligações a esta post:
>>> No Tumblr do Letras um álbum de fotos da posse de Rachel de Queiroz
>>> No canal do Letras no Youtube um vídeo da posse de Rachel de Queiroz

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

O Bovarismo como pedra de toque na obra de Lima Barreto

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

A filha perdida, de Elena Ferrante

Fama e preconceito

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)