Jorge Amado e Nelson Rodrigues para as telas (Parte II)

Nelson Rodrigues visita set de filmagens de Os sete gatinhos nos anos 1970. Foto: Arquivo Globo.

Depois de listarmos aqui alguns dos principais filmes produzidos a partir da obra de Jorge Amado, fazemos a segunda parte, agora com as obras produzidas a partir da literatura de Nelson Rodrigues. Dica: intercalar um filme desses nos da lista anterior. 

1. Meu destino é pecar, de Manuel Pelufo. O filme de 1950 é baseado em texto homônimo que Nelson Rodrigues publicou assinado sob o pseudônimo de Suzana Flag. Depois da produção para o cinema foi adaptado por Euclydes Marinho para ser uma minissérie na TV Globo.

2. Bonitinha mas ordinária, de J. P. de Carvalho. Essa foi a primeira versão da peça para filme, em 1963. Conta também com mais duas adaptações, uma em 1981, e outra em 2010. A melhor é a segunda com Lucélia Santos. No mesmo ano teve adaptação para minissérie também na TV Globo.

3.  Asfalto selvagem, de J. B. Tanko. Foi nessa peça que Nelson deu vida a uma de suas personagens mais intensas, Engraçadinha.  O filme explora os lados paradoxais da personagem – sua pureza e sordidez, sua sutilidade e vulgaridade. O diretor daria continuidade com outro filme, Engraçadinha depois dos trinta, nove anos depois; Asfalto selvagem é de 1964.

4. A falecida, de Leon Hirszman. A peça é considerada um marco na obra de Nelson Rodrigues; escrita a partir da sua coluna de contos “A vida como ela é”, é um dos primeiros registros do subúrbio carioca para as páginas da literatura contemporânea.

5. Toda nudez será castigada, de Arnaldo Jabor. Escrita em 1965, cinco anos depois a peça foi levada para o cinema. Ao optar pela narrativa em primeira pessoa, em plena atuação no teatro rodrigueano e já posta em textos como Vestido de noiva e Bonitinha mas ordinária, prevalece a ideia de um ponto de vista ou versão dos fatos, típico dos depoimentos policiais. Nelson durante bom período cuidou das páginas policiais do A manhã. Arnaldo Jabor ainda adaptaria O casamento.

6. Os sete gatinhos, de Neville d’Almeida. O filme que conta no elenco com Lima Duarte, no papel de Noronha, funcionário na Câmara de Deputados, chefe de uma família que zela profundamente a caçula e a única que tem o direito a boa educação em colégio interno; educação sustentada pelo dinheiro das quatro irmãs mais velhas que se prostituem em nome da sua “pureza”.

7. Álbum de família, de Braz Chediak. A peça data de 1945 e foi censurada, só tendo sua estreia vinte anos depois. O filme é de 1981.

8. Vestido de noiva, de Joffre Rodrigues. Este é um dos trabalhos, talvez, mais conhecidos de Nelson Rodrigues. Dirigida por Ziembinski, além da polêmica comum da obra do dramaturgo pernambucano, marcou uma renovação no teatro brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Os melhores diários de escritores

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239