Jorge Luis Borges




Fui apresentado à obra de Jorge Luis Borges por duas portas: a dos contos e a dos poemas, nessa ordem. Mas, sou leigo, muito leigo para falar de ambas e da sua obra. Só sei dizer que é uma obra magistral e maior do que qualquer crítica já produzida em torno dela. Dá para qualquer leitor leigo notar lida duas linhas porque a textualidade do escritor argentino cobra caras bússolas como guia no extenso labirinto bordado por ele. A crítica mais especializada já terá dito o suficiente em considerar sua obra como um dos maiores acontecimentos na literatura contemporânea na América Latina. E com razão. O alerta que deve ser feito, entretanto, é que sua obra é de uma maturidade tal que cobra um leitor iniciado e com uma fome de leitura que esteja próxima a do escritor que, segundo se conta, sempre se considerou mais leitor que escritor.

Hoje, data que marca seu aniversário; o escritor é de 24 de agosto de 1899, nascido em Buenos Aires. Foi precoce com a escolha da profissão. Talvez. Porque, segundo contam, teria, ainda aos sete anos, dito ao pai que seria escritor. Talvez a confissão tenha sido uma resposta de brincadeira à pergunta que sempre nos fazem quando somos criança. E diante de tantos talvez, talvez não. Talvez nada disso tenha acontecido. O que se sabe é que ainda aos nove anos escreveu seus primeiros contos inspirados num episódio do Dom Quixote, de Cervantes e na Mitologia Grega. E apenas mais um talvez. Borges não terá sido nenhum gênio; as circunstâncias o levaram a ser o que foi. Filho de pais letradas, muito bem letrados e donos de uma magistral biblioteca, o ambiente e as condições terão tido influência direta sobre a formação do escritor que concluiu os estudos em Genebra, Suíça, para onde se muda com os pais em 1914. 

É no retorno para Buenos Aires, sete anos depois, que publica seu primeiro livro de poemas. A publicação dava início ao extenso labirinto construído ao sabor do gosto pelo texto enciclopédico. Primou pelo fantástico como modo de fazer literário. Aqui, quem irá lembrar dos animais imaginários de Manual de Zoologia Fantástica? E foi, dentro e fora da obra, sujeito ativo no terreno das questões políticas de seu país.

Da amizade com Adolfo Bioy-Casares nasceu a revista Destiempo, periódico de curta duração, mas os dois continuaram escrevendo a duas mãos, tanto que em 1942 publicaram Seis problemas para Don Isidro Parodi, quatro anos depois, Duas fantasias memoráveis e em 1967 Crônicas de Bustos Domecq, pseudônimo com que assinaram esses trabalhos. Antes de Bioy-Casares, foi outra grande amizade literária, com Macedonio Fernández, que deu origem em 1921 a revista Prisma e um ano depois, a revista Proa que teve ainda 18 números publicados.

No final da década de 1930 sofreu um acidente que lhe provocou uma septicemia quase fatal. O acidente e os sintomas da doença que herdara do pai o levariam a uma cegueira que só aumentaria com o avançar dos anos. É desse período Ficções e O Aleph, clássicos do gênero em que ficou famoso Durante esse estágio passou a ditar suas obras e ajudado por amigos publicou ainda vários livros como Sete noites e Nove ensaios dantescos.



No início da década de 1980 passa a conviver com Maria Kodama, que assume, ao lado do escritor a conduta de pilar de sua obra atuando diretamente nos serviços de secretaria. O casamento aconteceria anos depois no Paraguai e por procuração, uma vez que Borges era divorciado e as leis da Argentina não permitiam um novo casamento.

O escritor morreu em junho de 1986, vítima de um câncer no fígado. Kodama tornou-se a herdeira e uma das principais defensoras dos direitos da obra de Borges.

Abaixo reproduzimos um facsímile de um texto de Jorge Luis Borges, El Fausto Criollo, publicado pela primeira vez na edição 11 da Revista Proa. Para ver o texto no tamanho adequado à leitura basta clicar para expandir.






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cinco livros para conhecer a obra de William Faulkner

Os melhores diários de escritores

Essa estranha instituição chamada literatura: uma conversa com Jacques Derrida

Lolita, amor e perversão

O conto da aia, o pesadelo de ser mulher numa teocracia

Os ventos (e outros contos), de Eudora Welty

O primeiro conto de Ernest Hemingway

Há muitos Faulkner

Kazuo Ishiguro, Prêmio Nobel de Literatura 2017

Boletim Letras 360º #239