Aqui embaixo, de Jean-Pierre Denis

Por Pedro Fernandes

A que nível de cegueira alguém pode ser reduzido quando desenvolve por alguém uma paixão sem limites? Boa parte ou se não todo mundo haverá de concordar que não há níveis, que há paixões incondicionais. Talvez seja sobre esses limites incapazes de precisar na maioria dos casos do tipo o mote para este drama histórico de Jean-Pierre Denis.



Num retorno ao fim de 1943, durante a ocupação nazista na França, fato da Segunda Guerra Mundial, o diretor francês recupera a história entre a Irmã Luce, religiosa e enfermeira no hospital de Périgueux, e o capelão Martial. Ela desenvolve uma fé plena na igreja católica desde a infância; o apego ao padre da região, entretanto, demonstrado logo no início do filme parece sinalizar que a fé tem seus mistérios insondáveis, uma vez que essa devoção e apego serão, futuramente transferidos para Cristo, no voto que faz ao se tornar freira de reputação inabalável na congregação, mas logo desviados para a figura do capelão.




Martial é de ideias profundamente niilistas e sua fé, ao contrário da de Luce, está completamente abalada, num cenário em que a luta pela vida torna-se uma constante diária e, muitas vezes, é luta vã. Luce o conhece num instante em que ele está entre a vida e a morte. E tocada pelo limite passageiro da existência, é quando sua fé no inalcançável se apresenta como uma atração amorosa, sem os mesmos limites com que parece ser a crença na religião. Não bastasse isso, os sinais pedidos a Deus desse amor parecem sempre conduzir positivamente para a sua vivência sem condicionais. A ponto de largar todas as benesses no convento por isso.




A partir de então a personagem inicia seu drama que terá um desfecho trágico. O filme além de sondar os limites do amor humano representados na até certa inocência de Luce – desde o prólogo do filme ao sentimento que a personagem desenvolve por Martial sem que em momento algum ele esboce interesse por ela – é também uma conduta descrente da incapacidade do amor como luta pela existência. Mas, como nada nesses terrenos do amor tem uma face, no mesmo instante que é desencanto é também uma crença na necessidade de, mesmo diante de situações do tipo, não hesitar em viver o seu lado obscuro, irracional e sem destino. Afinal, que graça teria a vida se não fôssemos capazes  de se arriscar sempre?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A religiosidade clandestina de Hermann Hesse

Água viva, de Clarice Lispector

Pablo Neruda: o que não dá mais para ocultar

Apontamentos sobre alguns textos curtos de Tolstói

Boletim Letras 360º #231

Salinger, um grupo de psicopatas e os do MKUltra

Quando Borges era Giorgie

A filha perdida, de Elena Ferrante

Gostamos de causar danos (com o grande romance estadunidense)

Jane Austen: casamento e dinheiro